sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades venezuelanas verificam identidade de cidadãos na fila dos supermercados

As autoridades venezuelanas iniciaram hoje uma operação de verificação da identificação dos cidadãos nas filas dos supermercados, para tentar evitar a revenda dos produtos no mercado informal.

Ariana Cubillos

A operação foi confirmada aos jornalistas por Anabel Jiménez, diretora geral do Serviço Administrativo de Migração, Identificação e Estrangeiros (Saime), que precisou que nalguns casos "são forjados" os documentos que os cidadãos usam para comprar alimentos.

"Trabalhamos conjuntamente com a Polícia Nacional Bolivariana para realizar operações nos estabelecimentos comerciais, para verificar a documentação e atacar o açambarcamento", disse.

Na Venezuela, para comprar produtos nos supermercados, os cidadãos devem identificar-se na caixa e colocar as impressões digitas num sistema biométrico. Segundo o resultado do processo, o cliente poderá comprar ou não, estando limitada a quantidade de produtos que pode adquirir semanalmente.

Segundo Anabel Jiménez, "nalguns casos não se trata de bilhetes de identidade emitidos pelo organismo (Saime) mas documentos falsos, forjados para violar e poder fazer uso dele, adquirir alimentos 'regulados' (com preço máximo de venda afixado pelo Executivo)".

A imprensa venezuelana dá conta que desde janeiro último as autoridades venezuelanas detetaram 476 casos de cidadãos que usurpavam a identidade de outras pessoas, tanto de nacionais como estrangeiros.

Na Venezuela são cada vez mais frequentes as queixas dos cidadãos sobre dificuldades para conseguir alguns produtos básicos como o arroz, massa, farinha de trigo e de milho, café, açúcar, margarina, maionese ou leite em pó. Também tem havido falta de papel higiénico e outros produtos de higiene pessoal, entre outros.

Nas últimas semanas intensificaram-se as já tradicionais filas junto aos supermercados à procura de produtos que escasseiam no mercado local.

Estas filas, que os jornalistas estão proibidos de fotografar, estão a ser controladas pela Guarda Nacional (polícia militar) que algumas vezes tem que disparar tiros de borracha para o ar para dispersar a população e impedir situações de violência.

Lusa

  • Mação volta a enfrentar dias de pânico
    3:33
  • Fogo obrigou à evacuação de 6 aldeias do concelho do Sardoal
    1:56

    País

    O incêndio que chegou ao Sardoal obrigou à evacuação de seis aldeias. As pessoas foram encaminhadas para as instalações da Santa Casa da Misericórdia e vão regressando ao longo do dia de hoje. A A23 foi reaberta de madrugada, depois de ter estado várias horas cortada nos dois sentidos .

  • Ministra admite que a maioria dos incêndios começaram por mão humana
    1:57

    País

    A Ministra da Administração Interna admitiu esta quarta-feira que a maioria dos incêndios deste ano começaram por mão humana, mas Constança Urbano de Sousa entende que é cedo para tirar outras conclusões. Já o vice-presidente da Liga dos Bombeiros Portugueses, Adelino Gomes, diz que não há duvidas e fala em terrorismo organizado. 

  • Sismo na região de Lisboa sentido num raio de 150km
    3:19