sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 2 mil queixas por injúrias ao Presidente examinadas pela justiça turca

Cerca de 2.000 processos judiciais foram acionados na Turquia por insultos contra Recep Tayyip Erdogan desde a sua eleição para a presidência em agosto de 2014, anunciou hoje o ministério da Justiça.

© Christian Hartmann / Reuters

"O número de 'dossiers' que até agora motivou a abertura de procedimentos judiciais por insultos ao Presidente é de 1.845", declarou aos deputados o ministro da Justiça Bekir Bozdag, citado por diversos 'media' locais.

"É vergonhoso. Nem consigo ler o pormenor destes insultos... Estou furioso. Isto nada tem a ver com a liberdade de expressão", acrescentou.

Desde a sua eleição para a chefia do Estado, após ter abandonado o cargo de primeiro-ministro que ocupava desde 2003, Erdogan -- acusado pelos seus críticos de deriva autoritária -- multiplicou os processos em tribunal por "insultos" e dirigidos a artistas, jornalistas, ou simples cidadãos.

A ex-estrela do futebol turco, o "touro do Bósforo" Hakan Sükur, antigo aliado de Erdogan e agora na oposição, será julgado em breve por ter insultado no Twitter o homem forte da Turquia. Arrisca quatro anos de prisão.

Na maioria dos casos as sanções pronunciadas por este delito limitam-se a condenações com pena suspensa, mas em 20 de janeiro uma mulher foi condenada a 11 meses de prisão efetiva por um gesto obsceno dirigido a Erdogan durante uma manifestação em março de 2014.

Lusa

  • Porque é que Melania e Ivanka vestiram preto para conhecer o Papa

    Mundo

    Melania e Ivanka chegaram ao Vaticano de preto, uma escolha muito questionada. De vestidos longos e véus, as mulheres Trump seguiram assim o dress code aconselhado nas audiências com o Papa. Também Michelle Obama usou uma vestimenta do género, em 2009, quando visitou Bento XVI.

  • Escola de Vagos castiga alunos por protesto contra a homofobia e preconceito

    País

    Os alunos da Escola Secundária de Vagos, no distrito de Aveiro, organizaram um protesto contra o que consideram homofobia e preconceito. Segunda-feira, depois de duas alunas se terem beijado foram chamadas à direção da escola, que as terá informado que não podiam beijar-se em público. O protesto foi gravado e partilhado nas redes sociais. Em declarações à SIC Notícias, um dos alunos disse que todos os envolvidos no protesto vão ser alvos de um processo disciplinar. O Bloco de Esquerda já pediu esclarecimentos ao Ministério da Educação.

    EXCLUSIVO

    Rita Pedras