sicnot

Perfil

Mundo

Cerca de 2 mil queixas por injúrias ao Presidente examinadas pela justiça turca

Cerca de 2.000 processos judiciais foram acionados na Turquia por insultos contra Recep Tayyip Erdogan desde a sua eleição para a presidência em agosto de 2014, anunciou hoje o ministério da Justiça.

© Christian Hartmann / Reuters

"O número de 'dossiers' que até agora motivou a abertura de procedimentos judiciais por insultos ao Presidente é de 1.845", declarou aos deputados o ministro da Justiça Bekir Bozdag, citado por diversos 'media' locais.

"É vergonhoso. Nem consigo ler o pormenor destes insultos... Estou furioso. Isto nada tem a ver com a liberdade de expressão", acrescentou.

Desde a sua eleição para a chefia do Estado, após ter abandonado o cargo de primeiro-ministro que ocupava desde 2003, Erdogan -- acusado pelos seus críticos de deriva autoritária -- multiplicou os processos em tribunal por "insultos" e dirigidos a artistas, jornalistas, ou simples cidadãos.

A ex-estrela do futebol turco, o "touro do Bósforo" Hakan Sükur, antigo aliado de Erdogan e agora na oposição, será julgado em breve por ter insultado no Twitter o homem forte da Turquia. Arrisca quatro anos de prisão.

Na maioria dos casos as sanções pronunciadas por este delito limitam-se a condenações com pena suspensa, mas em 20 de janeiro uma mulher foi condenada a 11 meses de prisão efetiva por um gesto obsceno dirigido a Erdogan durante uma manifestação em março de 2014.

Lusa

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efectivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21