sicnot

Perfil

Mundo

"El Chapo" quer extradição rápida para os EUA porque diz que é maltratado na prisão

O narcotraficante mexicano Joaquin "El Chapo" Guzman pediu à sua defesa para acelerar a sua extradição para os Estados Unidos porque estará a ser maltratado numa prisão de segurança máxima, disse hoje o seu advogado.

© Henry Romero / Reuters

Guzman, que foi recapturado a 08 de janeiro depois de ter fugido de uma cela através de um túnel, fez o pedido num "ato de desespero", indicou o advogado Jose Refugio Rodriguez numa entrevista radiofonia.

Rodriguez disse que o processo de extradição necessitará no mínimo de três meses para se concluir e que os advogados de defesa terão de o discutir com as autoridades norte-americanas.

"Tentem que eu seja extraditado o mais rapidamente possível", terá dito o líder do cartel de Sinaloa na terça-feira a Rodriguez.

Guzman, de 58 anos, têm-se queixado de que os guardas da prisão de Altiplano, a cerca de 90 quilómetros a oeste da Cidade do México, estão sempre a acordá-lo.

"Não deixar alguém dormir é um ato de tortura", disse o advogado. "Vi um homem desesperado, um homem abatido. Estava muito desanimado e em mau estado de saúde", adiantou.

As autoridades mexicanas negam que Guzman esteja a ser maltratado. As medidas de segurança foram intensificadas em Altiplano após a fuga de Guzman em julho, que embaraçou a administração de Enrique Pena Nieto.

Lusa

  • "Tudo o que o Benfica está a fazer é uma forma de coação"
    1:59
    Play-Off

    Play-Off

    DOMINGO 22:00

    As queixas do Benfica contra a Federação Portuguesa de Futebol e a Liga foram tema de debate no Play-Off da SIC Notícias. Rodolfo Reis, Manuel Fernandes e Rui Santos acreditam que a posição está relacionada com o clássico Benfica-Porto do próximo sábado. Já João Alves considera que estes comunicados podem prejudicar o Benfica.

  • A primeira vez do Sr. Árbitro
    12:41
  • O pedido de desculpas de Dijsselbloem
    2:12

    Mundo

    O Governo português continua a mostrar a indignação que diz sentir perante as declarações do presidente do Eurogrupo. O ministro dos Negócios Estrangeiros português garante que com Dijsselbloem "não há conversa possível". Jeroen Dijsselbloem começou por recusar pedir desculpa mas depois cedeu perante a onda de indignação.