sicnot

Perfil

Mundo

Itália avisa que risco de atentados na Europa ainda é elevado

Os serviços secretos italianos alertam que o risco da Europa sofrer novos atentados perpetrados por "jihadistas" ainda é elevado, segundo um relatório entregue regularmente no parlamento italiano e hoje divulgado pelos "media" locais.

(Reuters/ Arquivo)

(Reuters/ Arquivo)

© Charles Platiau / Reuters

"Mantém-se elevado o perigo de novas ações no território europeu perpetradas por emissários, enviados, combatentes externos ou por militantes já presentes na Europa que recebem ordens e motivação de outras pessoas no estrangeiro", indicou o relatório, de acordo com a comunicação social italiana.

No documento assinala-se o potencial crescimento do espaço de manobra destes operacionais.

"Cresce a possibilidade de encontrarem espaço para novos ataques como os de Paris [13 de novembro de 2015], mas também as formas de coordenação horizontal entre micro células ou ações individuais pouco planeadas e, portanto, imprevisíveis", referiu o texto.

Os serviços secretos italianos advertiram de que Itália e o Vaticano "estão cada vez mais expostos" por serem um potencial "objetivo político, simbólico e religioso", recordando ainda as celebrações do Ano Santo da Misericórdia, assinalado no ano corrente.

No relatório, os serviços secretos aconselharam, entre outros aspetos, "uma avaliação cuidadosa da divulgação da ideologia 'jihadista' em circuitos radicais na Internet em Itália", porque grande parte dos utilizadores do espaço virtual são "muitos jovens e podem ser facilmente influenciados por opiniões ou por figuras carismáticas".

Também alertaram para a presença perigosa da rede terrorista Al-Qaida no mundo virtual, uma vez que pode intervir "como oposição" ao grupo extremista Estado Islâmico (EI).

Destacaram igualmente o peso cada vez maior das mulheres europeias no movimento 'jihadista', mencionando os casos de mulheres que se juntaram às fileiras 'jihadistas' e casaram com operacionais, bem como os casos de mulheres que são mães de combatentes.

No texto foca-se ainda que várias mulheres são responsáveis pelo recrutamento de novos elementos, especialmente através da Internet, e por vários aspetos logísticos, como o envio de dinheiro.

Para os serviços secretos italianos, o regresso dos combatentes 'jihadistas' estrangeiros aos respetivos países de origem é um assunto que requer uma "vigilância máxima".

Sobre o risco de que terroristas entrem no território europeu através da vaga migratória oriunda do norte de África, os serviços secretos italianos afirmaram que "não encontraram provas específicas" dessa possibilidade, admitindo, porém, "a vulnerabilidade da rota dos Balcãs para potenciais entradas".

Lusa

  • Eurogrupo dá luz verde ao Orçamento do Estado
    0:29

    Orçamento do Estado 2017

    O Orçamento português passou no Eurogrupo mas os ministros das Finanças alertam que podem ser precisas mais medidas para cumprir as metas e em março vão voltar a olhar para as contas. Para já, estão satisfeitos com o compromisso assumido por Mário Centeno e mais sete ministros da zona euro, cujos Orçamentos estão em risco de incumprimento.

  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados".Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade. A SIC esteve em Luanda e falou com o advogado Adolfo Campos e com os músicos Carbono Casimiro, Mona Dya Kidi e David Salei. Já todos estiveram presos. Já todos foram vítimas de violência policial. Defendem que "a geração anterior comprometeu o país" e acreditam que só a mudança política pode trazer um futuro melhor. Para estes jovens activistas, a guerra que arrasou o país, e com que o regime justifica tudo, não deixou heróis, apenas "vilões e vítimas".

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59