sicnot

Perfil

Mundo

Ministro diz que candidatura de Guterres à ONU não é campanha de publicidade

O chefe da diplomacia portuguesa explicou hoje que a candidatura do ex-primeiro-ministro António Guterres ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas implica "conquistar, pelo seu mérito, votos de muitos países" daquela organização, mas não é uma "campanha de publicidade".

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

MIGUEL A. LOPES / Lusa

A candidatura implica "monitorizar a rede diplomática em todo o Mundo" e "conquistar, pelo seu mérito, votos de muitos países de entre quase 200 que constituem o universo das Nações Unidas", afirmou Augusto Santos Silva, durante o debate na especialidade da proposta do Orçamento do Estado para 2016, no parlamento.

"Não estamos a fazer uma campanha de publicidade. Os méritos da personalidade são tais que não é preciso explicar às pessoas e aos nossos parceiros quem ele é", disse o ministro.

Santos Silva respondia a uma pergunta do deputado do PSD Paulo Neves, que questionara a diminuição da verba destinada a quotizações nas organizações internacionais - que desce de 85,6 milhões de euros, no ano passado, para 71,5 milhões de euros - num ano em que Portugal aposta na candidatura de Guterres à ONU e em que vai assumir o Secretariado Executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

"A candidatura de António Guterres para secretário-geral das Nações Unidas não implica mais dinheiro. Não estamos a comprar, estamos a candidatar", destacou, insistindo que "não há uma relação mecânica" na candidatura e na necessidade de aumentar o orçamento.

Sobre esta rubrica no orçamento, Santos Silva recordou que, em vários orçamentos anteriores, a verba foi excedida pela necessidade de pagar encargos de anos anteriores, algo que disse esperar que não aconteça agora.

"A estimativa de 71 milhões de euros prevista no Orçamento do Estado funda-se na ideia, que espero não seja errada, que não há encargos de anos anteriores. Estou certo que não haverá", afirmou.

Lusa

  • Madonna diz que América nunca desceu tão baixo
    2:12

    Mundo

    No mundo artístico, foram várias as vozes que se levantaram contra Trump, entre elas Madonna. A cantora disse esta quinta-feira em Nova Iorque, a propósito do dia da tomada de posse, que nunca a América desceu tão baixo. Já o ator Matthew McConaughey - que está em Londres - garantiu que não ia perder a cerimónia pela televisão.

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida