sicnot

Perfil

Mundo

Ministro diz que candidatura de Guterres à ONU não é campanha de publicidade

O chefe da diplomacia portuguesa explicou hoje que a candidatura do ex-primeiro-ministro António Guterres ao cargo de secretário-geral das Nações Unidas implica "conquistar, pelo seu mérito, votos de muitos países" daquela organização, mas não é uma "campanha de publicidade".

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

Ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva.

MIGUEL A. LOPES / Lusa

A candidatura implica "monitorizar a rede diplomática em todo o Mundo" e "conquistar, pelo seu mérito, votos de muitos países de entre quase 200 que constituem o universo das Nações Unidas", afirmou Augusto Santos Silva, durante o debate na especialidade da proposta do Orçamento do Estado para 2016, no parlamento.

"Não estamos a fazer uma campanha de publicidade. Os méritos da personalidade são tais que não é preciso explicar às pessoas e aos nossos parceiros quem ele é", disse o ministro.

Santos Silva respondia a uma pergunta do deputado do PSD Paulo Neves, que questionara a diminuição da verba destinada a quotizações nas organizações internacionais - que desce de 85,6 milhões de euros, no ano passado, para 71,5 milhões de euros - num ano em que Portugal aposta na candidatura de Guterres à ONU e em que vai assumir o Secretariado Executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP).

"A candidatura de António Guterres para secretário-geral das Nações Unidas não implica mais dinheiro. Não estamos a comprar, estamos a candidatar", destacou, insistindo que "não há uma relação mecânica" na candidatura e na necessidade de aumentar o orçamento.

Sobre esta rubrica no orçamento, Santos Silva recordou que, em vários orçamentos anteriores, a verba foi excedida pela necessidade de pagar encargos de anos anteriores, algo que disse esperar que não aconteça agora.

"A estimativa de 71 milhões de euros prevista no Orçamento do Estado funda-se na ideia, que espero não seja errada, que não há encargos de anos anteriores. Estou certo que não haverá", afirmou.

Lusa

  • UGT reivindica que salário mínimo ultrapasse os 600€
    0:26

    Economia

    O secretário-geral da UGT reivindica que até 2019 o salário mínimo nacional ultrapasse os 600 euros. Este sábado, num congresso distrital na Guarda, Carlos Silva considerou que o Governo tem condições para ir mais além e voltou a defender que para o próximo ano o patamar mínimo para a negociação deve ser os 585 euros.

  • Militares tentam acabar com guerra entre traficantes na Rocinha, Rio de Janeiro
    3:07

    Mundo

    As últimas horas têm sido de tensão no Rio de Janeiro depois dos tiroteios que começaram desde que uma das principais favelas da cidade foi ocupada por militares na sexta-feira. As forças federais foram acionadas para auxiliarem a polícia, que há vários dias tenta acabar com a guerra entre fações de traficantes de droga.

  • Trump renovou as ameaças à Coreia do Norte
    1:30
  • Atrás das Câmaras em Pedrógão Grande
    3:37
    Atrás das Câmaras

    Atrás das Câmaras

    DIARIAMENTE NA SIC E SIC NOTÍCIAS

    A carrinha do "Atrás das Câmaras" continua pelo país a mostrar aquilo que alguns políticos ignoram. Este sábado a equipa da SIC esteve em Pedrógão Grande, 99 dias após o incêndio que fez 64 mortos e 200 feridos.

  • Morreu Charles Bradley, uma das lendas do soul

    Cultura

    O cantor Charles Bradley morreu este sábado aos 68 anos. O músico norte-americano foi diagnosticado com cancro no ano passado. A notícia da morte foi confirmada na página oficial do cantor no Facebook.