sicnot

Perfil

Mundo

ONU impõe sanções mais pesadas à Coreia do Norte

A Coreia do Norte vai ser alvo de sanções internacionais mais duras após os últimos ensaios nucleares, a 6 de janeiro.

Pyongyang anunciou há quase uma semana a colocação de um satélite em órbitra através do lançamento de um míssil de longo alcance.

Pyongyang anunciou há quase uma semana a colocação de um satélite em órbitra através do lançamento de um míssil de longo alcance.

© KYODO Kyodo / Reuters

A resolução do Conselho de Segurança da ONU foi tomada por unanimidade, incluindo a China, única aliada de Pyongyang.

Com as novas sanções, todas as mercadorias recebidas ou enviadas para a Coreia do Norte são inspecionadas. Foram também colocadas na lista negra da ONU 12 entidades norte-coreanas e 16 representantes do comércio da Coreia do Norte na Síria, Irão e Vietname.

ara o presidente norte-americano, Barack Obama, o pacote de sanções é "uma resposta firme, unida e apropriada da comunidade internacional" ao ensaio nuclear de 06 de janeiro e ao lançamento de um míssil de 07 de fevereiro.

"A comunidade internacional, falando a uma voz, envia a Pyongyang uma mensagem simples: a Coreia do Norte tem de abandonar estes programas perigosos e escolher um caminho melhor para o seu povo", afirmou Obama numa declaração divulgada à imprensa.

A resolução impõe a todos os países a medida sem precedente de inspecionar todas as mercadorias com origem ou destinadas à Coreia do Norte e a proibição de entrada nos portos a navios e de voos de aviões suspeitos de transportar bens ilegais para aquele país.

O pacote inclui também a proibição das exportações norte-coreanas de carvão, ferro e minério de ferro, ouro, titânio e minerais raros, assim como a importação de combustível de aviação, incluindo combustível para mísseis.

"Trata-se de algumas das sanções mais duras adotadas contra qualquer país do mundo, certamente as mais duras contra a RPDC [República Popular Democrática da Coreia]", afirmou o embaixador do Reino Unido, Matthew Rycroft.

"Isto marca uma viragem significativa do Conselho de Segurança no seu conjunto", acrescentou.

As sanções preveem ainda a expulsão pelos países membros da ONU de diplomatas norte-coreanos que estejam envolvidos em contrabando ou outras atividades ilegais e acrescenta 16 indivíduos e 12 entidades à lista "negra" das sanções, incluindo a agência espacial e os serviços de informações norte-coreanos.

Anteriores sanções contra a elite do regime foram também alargadas, com a proibição de exportação para a Coreia do Norte de relógios de luxo, motos de neve, embarcações de recreio e equipamentos desportivos.

A resolução 2270, hoje aprovada, foi negociada ao longo de sete semanas pelos Estados Unidos e a China, mas o seu impacto vai depender da rigorosa aplicação das medidas, nomeadamente por Pequim.

O pacote de sanções é o quinto da ONU contra a Coreia do Norte desde o primeiro ensaio nuclear, em 2006.

  • As confissões de Sérgio Conceição: do futuro no FC Porto à zanga com Rui Vitória 
    43:14
  • Parceiros sociais retomam hoje discussão sobre legislação laboral

    Economia

    Os parceiros sociais retomam esta tarde a discussão sobre as alterações à legislação laboral nas áreas do combate à precariedade, promoção da negociação coletiva e reforço da inspeção do trabalho. No encontro, marcado para as 15:00 no Conselho Económico e Social (CES), em Lisboa, o ministro do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social, Vieira da Silva, deverá apresentar um novo documento com alterações face ao que foi proposto aos parceiros sociais há dois meses.

  • Sabia que pode emprestar dinheiro a empresas e ganhar 7% em juros por ano?
    8:05
  • A experiência de um embaixador português na Coreia do Norte
    2:58

    País

    A Coreia do Norte tem o maior orçamento militar do mundo e o seu arsenal nuclear acaba por dar-lhe acesso a uma possível cimeira com os Estados Unidos. A pobreza e o culto da personalidade foram testemunhados pelo embaixador, José Manuel de Jesus, que visitou várias vezes Pyongyang.

  • EUA expulsa dois diplomatas venezuelanos e dá-lhes 48 horas para deixarem o país

    Mundo

    Os Estados Unidos anunciaram, na quarta-feira, a expulsão de dois diplomatas venezuelanos, aos quais deu um prazo de 48 horas para sairem do país. A decisão é a resposta ao anúncio de Presidente da Venezuela de expulsar o encarregado de negócios e o chefe da secção política da embaixada dos Estados Unidos em Caracas, Todd Robinson e Brian Naranjo, respetivamente.