sicnot

Perfil

Mundo

Polícia confessa morte de jovens desaparecidos no México

Um dos polícias acusado de deter ilegalmente cinco estudantes mexicanos confessou que eles foram assassinados depois de os agentes os entregarem a um cartel de droga, informaram as autoridades na terça-feira.

(Arquivo)

(Arquivo)

© Edgard Garrido / Reuters

Quatro homens, todos na casa dos 20 anos, e uma rapariga de 16 anos, desapareceram a 11 de janeiro depois de terem sido detidos pela polícia do estado de Veracruz na localidade de Tierra Blanca, no leste do México.

O polícia, que faz parte de um grupo de oito agentes detidos pelo desaparecimento dos jovens, disse aos investigadores que o grupo foi levado para um rancho e entregue a membros do cartel Jalisco New Generation, disse o vice-ministro do Interior, Roberto Campa, citado pela AFP.

Os jovens foram posteriormente assassinados e os seus corpos queimados e os restos mortais moídos num moínho de cana-de-açúcar.

Duas das vítimas foram identificadas através de testes de DNA extraídos a partir de vestígios de ossos e de sangue encontradas no rancho El Limón. Não existe qualquer pista sobre os outros três jovens, refere a AFP.

As autoridades procuram seis membros do cartel acusados de serem os autores do crime, acrescentou Roberto Campa à estação de rádio Formula.

Este caso tem semelhanças com o desaparecimento de 43 estudantes de uma escola no estado de Guerrero (sul) em setembro de 2014, quando polícias municipais atacaram os jovens antes de os entregarem a um cartel de droga que os terá confundido com um gangue rival e os terá assassinado, segundo a versão oficial.

Lusa

  • Aplicação WhatsApp acusada de permitir conversas secretas entre terroristas
    1:45
  • "Um Lugar ao Sol"
    17:05
    Perdidos e Achados

    Perdidos e Achados

    SÁBADO NO JORNAL DA NOITE

    O Perdidos e Achados foi conhecer como eram as férias de outros tempos. Quando o Estado Novo controlava o lazer dos trabalhadores e criava a ilusão de um país exemplar. Na Costa de Caparica, onde é hoje o complexo do INATEL estava instalada a maior colónia de férias do país, chamava-se "Um Lugar ao Sol".