sicnot

Perfil

Mundo

Portugal acompanha "com muita atenção" situação política na Venezuela

O Governo português está a acompanhar "com muita atenção" a situação política na Venezuela, disse hoje o ministro dos Negócios Estrangeiros, que fez votos que haja progressos "no respeito pelo Estado de Direito".

MANUEL DE ALMEIDA

O executivo está a acompanhar a evolução dos acontecimentos na Venezuela, sob forte tensão política nos últimos meses, "com muita atenção e em vários planos", desde logo através do embaixador português acreditado em Caracas, afirmou Augusto Santos Silva.

"Temos vários mecanismos de resposta a emigrantes portugueses que precisem de proteção consular. Esses pedidos não têm sido feitos, pelo menos de forma expressiva", disse o ministro aos jornalistas, à margem do debate, no parlamento, da proposta do Orçamento do Estado.

"Sobretudo, desejamos que a situação na Venezuela evolua favoravelmente e dizemos em relação à Venezuela o que dizemos em relação a qualquer país: que a situação evolua no respeito pelo Estado de Direito, no respeito pelos direitos humanos e no exercício soberano pelo povo e pelas instituições que o povo venezuelano escolheu, nas competências que lhe são próprias", destacou o governante.

O ambiente político na Venezuela é tenso desde a histórica vitória, a 06 de dezembro, da oposição nas eleições legislativas, com constantes ataques entre o parlamento e o Governo.

Lusa

  • "É evidente que não fecho a porta ao Eurogrupo"
    1:38

    Economia

    O ministro das Finanças diz que não fecha a porta ao Eurogrupo. A declaração é feita numa entrevista ao semanário Expresso. No entanto, Mário Centeno deixa a ressalva que qualquer ministro das Finanças do Eurogrupo pode ser presidente.

  • Itália tenta colocar migrações na agenda do G7 contra vontade dos EUA
    1:45
  • Raízes de ciência e rebentos de esperança
    14:14
  • Portugal pode ser atingido por longos períodos de seca

    País

    Portugal e Espanha podem ser atingidos até 2100 por 'megasecas', períodos de seca de dez ou mais anos, segundo os piores cenários traçados num estudo da universidade britânica Newcastle, que tem a participação de uma investigadora portuguesa.