sicnot

Perfil

Mundo

Quase 2 milhões de pessoas em risco de insegurança alimentar severa em Moçambique

O primeiro-ministro moçambicano disse hoje em Maputo que mais de 1,7 milhões de pessoas estarão em situação de insegurança alimentar severa no país, caso prevaleça a escassez de chuva, admitindo lançar um apelo internacional.

© Mike Hutchings / Reuters

"No caso da prevalência da escassez de chuva até ao final da presente época chuvosa, em que não se venha a registar nenhuma colheita, prevê-se um cenário de insegurança alimentar severa, afetando 1.785.132 pessoas", afirmou Carlos Agostinho do Rosário no parlamento.

Tendo em conta a gravidade da seca, adiantou, o Conselho Técnico de Gestão de Calamidades (CTGC) atualizará até ao dia 11 deste mês os impactos da seca na segurança alimentar, visando avaliar a necessidade de um apelo internacional para a mobilização de recursos necessários para a assistência das vítimas de fome.

As províncias de Inhambane, no sul do país, com mais de 540 mil afetados, e Tete, centro, com mais de 530 mil, serão as mais atingidas pela insegurança alimentar severa, seguidas de Gaza (419 mil), Sofala (144 mil), Maputo (133 mil) e Zambézia (17 mil), indicou Rosário.

"Em caso de ocorrência de um cenário de insegurança alimentar severo, em que o número previsto de pessoas atinja 1.785.132 pessoas, o Governo, sob proposta do CTGC, onde os nossos parceiros internacionais têm assento, avaliará e decidirá sobre o tipo de intervenção ou alerta a adotar", declarou o primeiro-ministro.

Num cenário de "alguma chuva", prosseguiu Agostinho do Rosário, 396.855 estarão numa situação de insegurança alimentar moderada, cifra superior à previsão de 165.618 pessoas contida no Plano de Contingência contra as calamidades naturais.

"Uma situação de existência de alguma chuva até ao final do mês de março corrente, que venha permitir alguma colheita, remete-nos a um cenário de insegurança alimentar moderado. Neste cenário, o total de pessoas afetadas é de 396.855 pessoas", afirmou hoje o primeiro-ministro moçambicano.

Em relação às cheias que atingem o norte do país, prosseguiu Agostinho do Rosário, o Governo previa que mais de 194 mil pessoas fossem afetadas, tendo sido alocados 580 milhões de meticais (pouco mais de 11 milhões de euros), para ações de monitorização, assistência humanitária, busca e salvamento e pré-posicionamento de meios.

Lusa

  • Morte de portuguesa no Luxemburgo afinal não aconteceu

    País

    A morte de uma portuguesa em Bettembourg, no sul do Luxemburgo, não terá acontecido. O Jornal do Luxemburgo avançou, esta manhã, que a emigrante portuguesa tinha sido baleada mortamente pelo filho, uma informação entretanto desmentida por outro jornal online. Segundo o Bom Dia Luxemburgo, o que aconteceu foi afinal uma rusga policial.

  • Estamos quase na hora de verão

    País

    Esta madrugada muda a hora. Quando for 1h00, os relógios adiantam para as 2h00. Será uma noite com menos tempo de sono, mas os dias vão ficar mais longos com o chamado horário de verão.

  • Hora do Planeta, apagam-se as luzes para despertar consciências
    2:19
  • Divorciados vão poder dividir filhos no IRS 

    Economia

    Os divorciados vão passar a poder dividir os filhos no IRS (imposto sobre o rendimento singular) e o Governo está a estudar soluções para que em 2018 haja um novo sistema para lidar com a guarda conjunta de filhos.

  • "Os governos são diferentes mas o povo é o mesmo"
    0:45

    Economia

    O Presidente da República atribui o resultado do défice do ano passado ao espírito de sacrifício do povo português. Num jantar em Coimbra para assinalar o Dia do Estudante, Marcelo Rebelo de Sousa considerou ainda que o valor do défice de 2016 é a prova de que com governos diferentes conseguem-se os mesmos objetivos.

  • Ataques aéreos dos EUA em Mossul podem ter causado a morte de 200 civis
    1:22
  • Pai do piloto da Germanwings defende inocência do filho

    Mundo

    O pai de Andreas Lubitz declarou esta sexta-feira que o filho não é o responsável pelo embate do avião da Germanwings contra um local montanhoso, que fez 150 mortos. O Ministério Público alemão concluiu em janeiro que o incidente em 2015 foi apenas da responsabilidade do piloto.

  • Quando o cancro chega por mero acaso
    1:55

    Mundo

    Cerca de dois terços das mutações que ocorrem nas células cancerígenas devem-se ao acaso, segundo um estudo da Universidade Johns Hopkins, nos Estados Unidos. Em Portugal, o Diretor do Programa Nacional Doenças Oncológicas alerta para a importância de um diagnóstico precoce e um estilo de vida saudável como forma de reduzir a fatalidade.