sicnot

Perfil

Mundo

Editora de jornal chinês despedida após alegada crítica ao Presidente

Uma editora de um dos jornais mais prestigiados da China, o Southern Metropolis Daily, foi despedida devido a uma primeira página em que alegadamente critica a censura promovida pelo Presidente chinês à imprensa do país.

© Damir Sagolj / Reuters

Segundo o jornal de Hong Kong South China Morning Post (SCMP), Liu Yuxia e o seu superior, o editor-chefe Wang Haijun, foram "punidos severamente", na sequência da edição daquele jornal de 20 de fevereiro.

Na primeira página da publicação, Liu cita uma frase do Presidente chinês, Xi Jinping, durante a sua visita à sede da televisão estatal CCTV, em que apela à lealdade dos meios de comunicação oficiais para com o Partido Comunista da China.

Em baixo, uma outra notícia dava conta do funeral de um histórico líder do regime chinês.

As duas informações não teriam aparente relação entre si, mas ambos os títulos combinados formavam a frase: "Os meios oficiais do Partido lançaram as suas almas ao mar".

A composição terá sido vista como uma crítica velada ao controlo que o Presidente chinês exerce sob os órgãos de comunicação social, destaca o SCMP.

O afastamento de Liu, que nos últimos três anos foi responsável pela elaboração das primeiras páginas do jornal, foi lamentado pelos seus companheiros de redação, que a descreveram como "um dos melhores editores do diário".

Citado pelo SCMP, o analista Zhang Lifan assinalou que o despedimento recorda as "campanhas contra os 'slogans' contrarrevolucionários", durante a Revolução Cultural (1966-76).

Zhang afirmou que a crescente pressão exercida por Pequim sobre os jornalistas está a forçar muitos profissionais a abandonar a carreira.

Lusa

  • "Quem faz isto sabe estudar os dias e o vento para arder o máximo possível"
    4:15
  • O balanço trágico dos incêndios do fim de semana
    0:51

    País

    Mais de 500 mil hectares de área ardida, 42 vítimas mortais, 71 de feridos, dezenas de casas e empresas destruídas. É este o balanço de mais um fim de semana trágico para Portugal a nível de incêndios florestais.

  • 2017: o ano em que mais território português ardeu
    1:41

    País

    Desde janeiro, houve mais área ardida do que em qualquer outro ano na história registada de incêndios florestais. Segundo dados provisórios do Sistema Europeu de Informação sobre Fogos Florestais, mais de 519 mil hectares foram consumidos pelas chamas até 17 de outubro, o que representa quase 6% de toda a área de Portugal. 

  • "Viverei com o peso na consciência até ao último dia"
    3:00
  • O que resta de Tondela depois dos incêndios
    1:07

    País

    O concelho de Tondela é agora um mar de cinzas, imagens recolhidas pela SIC com um drone mostram bem a dimensão do que foi destruído pelos incêndios. Perto 100 habitações principais ou secundárias, barracões, oficinas e stands arderam. 

  • Moradores reuniram esforços para salvar idosos das chamas em Pardieiros
    2:50

    País

    O incêndio de domingo em Nelas fez uma vítima mortal: um homem de 50 anos, de Caldas da Felgueira, que regressava de uma aldeia vizinha, onde tinha ido ajudar a combater as chamas. Em Pardieiros, no concelho de Carregal do Sal, várias casas arderam e uma jovem sofreu queimaduras ao fugir do incêndio. Durante o incêndio, pessoas reuniram esforços para salvar a povoação.

  • A fotografia que está a correr (e a impressionar) o Mundo

    Mundo

    A fotografia de uma cadela a carregar, na boca, o cadáver calcinado da cria está a comover o mundo. Entre as muitas fotografias que mostram o cenário causado pelos incêndios que devastaram a Galiza nos últimos dias, esta está a causar especial impacto. O registo é do fotógrafo Salvador Sas, da agência EFE. A imagem pode impressionar os mais sensíveis.

  • As lágrimas do primeiro-ministro do Canadá

    Mundo

    O primeiro-ministro da Canadá, Justin Trudeau, emocionou-se esta quarta-feira ao falar de um artista que morreu depois de perder uma luta contra o cancro. Gord Downie, vocalista da banda de rock canadiana "The Tragically Hip", faleceu esta terça-feira, aos 53 anos, vítima de um tumor cerebral.