sicnot

Perfil

Mundo

Partidos da oposição brasileira reforçam pedido de renúncia de Dilma Rousseff

Vários partidos da oposição brasileira voltaram hoje a pedir a renúncia de Dilma Rousseff do cargo de Presidente, na sequência da divulgação de uma delação que a compromete no âmbito do Operação Lava Jato.

FERNANDO BIZERRA JR.

O senador Delcídio do Amaral, do Partido dos Trabalhadores (PT), numa delação premiada [prestação de informações em troca de possível redução de pena] citada pela revista IstoÉ, disse que a chefe de Estado brasileira interferiu por três vezes na investigação ao caso Lava Jato com a ajuda do ex-ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, e usou a sua influência para evitar a punição de empreiteiros.

O senador referiu ainda que Dilma lhe pediu para tentar garantir que os empresários Marcelo Odebrecht e Otávio Marques de Azevedo, presos no âmbito da Operação Lava Jato, fossem libertados.

Nesta delação, o mesmo dirigente do PT também fez declarações que comprometem o ex-Presidente, Lula da Silva, dizendo que mandou comprar o silêncio de Nestor Cerveró, ex-diretor da Petrobras, e de outras testemunhas e pediu-lhe para evitar a convocação de pessoas para depor.

Para o Partido da Social Democracia Brasileira (PSDB) e para os Democratas (DEM), já não se pode negar que a Presidente e o seu antecessor sabiam do esquema de corrupção na Petrobras.

"Chega, Presidente Dilma. Não dá mais. A senhora tem de ir à população esclarecer os fatos e dar uma chance ao povo brasileiro de recuperar a sua esperança", afirmou o deputado Betinho Gomes, em nome do PSDB, na tribuna do plenário.

O deputado pediu à Presidente para ter "humildade de dizer que não há condições de ficar à frente do país".

O deputado Pauderney Avelino, líder do DEM, considerou que a delação de Delcídio "coloca mais uma vez a crise e a Lava-Jato no colo da Presidente Dilma e abraça Lula definitivamente".

"A cúpula do PT transformou-se numa organização criminosa contra o Brasil", acusou, defendendo que "a Presidente tem que pedir a renúncia".

Já o vice-líder do governo, deputado Silvio Costa, do Partido Trabalhista do Brasil (PTdoB), defendeu a inocência de Dilma e pediu um tratamento igual da oposição relativamente às denúncias de recebimento de subornos envolvendo o presidente do PSDB, o senador Aécio Neves.

O deputado Waldih Damous, uma espécie de assessor jurídico do PT, referiu que o senador Delcídio desmentiu a notícia de delação.

Vários elementos da oposição têm reiterado pedidos de renúncia da Presidente e recentemente decidiram-se aliar-se a movimentos anti-Dilma nos protestos de rua agendados para dia 13 de março.

Lusa

  • Costa de Metro de Odivelas para Lisboa para relembrar corrida entre burro e Ferrari
    2:55

    Autárquicas 2017

    António Costa começou hoje o dia de campanha em Odivelas, para uma viagem de Metro até Lisboa, em que recordou a célebre corrida entre um burro e um Ferrari que protagonizou em 1993 quando foi canditado do PS à Câmara de Loures. Foi nesta cidade, onde ontem à noite, que desferiu um violento ataque a Pedro Passos Coelho, acusando-o de transformar o PSD num partido que não é digno de um Estado democrático.

  • O aeroporto de Beja, um "elefante branco" na planície alentejana
    4:33
  • Paciente há 15 anos em estado vegetativo consegue seguir objetos e mexer a cabeça

    Mundo

    Um homem de 35 anos, que ficou em estado vegetativo após um acidente de viação há 15 anos, deu sinais de consciência depois de lhe ter sido aplicada uma nova técnica de estimulação nervosa. Cirurgiões implantaram no paciente um pequeno aparelho que estimula o nervo vago, responsável pela ligação nervosa entre o cérebro e o resto do corpo. A intervenção aconteceu em França e a descoberta foi publicada na revista científica Current Biology.