sicnot

Perfil

Mundo

Forçar Apple a desbloquear iPhone pode abrir precedente, alerta ONU

A intenção do FBI em forçar a Apple a desbloquear um iPhone pode criar um precedente com sérias repercussões globais para os direitos humanos, advertiu hoje Zeid Ra 'ad Al Hussein, das Nações Unidas.

© Regis Duvignau / Reuters

"A fim de resolver um problema relacionado com a segurança, as autoridades correm o risco de desbloquear uma 'caixa de Pandora' que pode ter implicações muito negativas para os direitos humanos de muitos milhões de pessoas, incluindo a sua segurança física e financeira", afirma, em comunicado, o responsável pelos direitos humanos das Nações Unidas.

A polémica surgiu no início deste mês, quando a Apple se recusou a ajudar a polícia federal norte-americana (FBI) a aceder ao conteúdo de um iPhone pertencente ao falecido Syed Farook que, juntamente com a mulher, protagonizou um tiroteio em San Bernardino, na Califórnia, em dezembro passado, fazendo 14 mortos.

A Apple argumenta que cooperar com a investigação, abrindo uma exceção à proteção de dados dos telemóveis que produz, vai minar a privacidade e a segurança dos seus aparelhos, enquanto o Governo norte-americano contrapõe que se trata de um pedido isolado, que ajudará numa investigação importante.

A empresa do símbolo da maçã abriu caminho, no entanto, para uma solução de compromisso, declarando que iria apoiar a criação de um grupo de peritos para discutir a criptografia dos seus dispositivos móveis.

O criador do Facebook, Mark Zuckerberg, disse na segunda-feira, em Barcelona, "estar solidário" com a Apple e seu chefe Tim Cook nesta batalha contra a justiça americana sobre a privacidade de dados.

Outros líderes da indústria tecnológica como Google, Yahoo, Mozilla e Twitter também partilham a posição de apoiar Apple.

Lusa

  • Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta pelo olhar de uma portuguesa
    3:20

    Mundo

    A guerra do Congo, que opõe milícias rebeldes ao regime de Kabila, já dura há 20 anos e fez seis milhões de mortos, quatro milhões de deslocados internos e um número crescente de refugiados. Um dos conflitos mais sangrentos e esquecidos do planeta tem levado milhares de civis a passar a fronteira para Angola. A médica portuguesa Ana Paula Cruz testemunhou o drama silencioso dos congoleses nos campos de refugiados da Lunda Norte.

  • "Este é o elefante na sala sobre a saúde!"
    1:43

    País

    Catarina Martins acusa o Governo de estar alinhado com a direita na promoção de negócios privados na área da saúde. O Bloco de Esquerda quer uma nova lei de bases aprovada até ao final da legislatura e arrancou ontem com um ciclo nacional de sessões públicas para defender o Serviço Nacional de Saúde.

  • Marido de idosa que morreu na Sertã teve de caminhar durante duas horas para pedir ajuda
    1:44

    País

    A Altice garantiu esta sexta-feira que tentou agendar, por duas vezes, a reposição da linha telefónica na casa da idosa da Sertã, que morreu na semana passada por não ter comunicações que permitissem um socorro rápido. A mulher sentiu-se mal e o marido teve de caminhar durante duas horas para conseguir chegar à casa do vizinho mais próximo e pedir ajuda.

  • "No meu bairro perguntam-me se a medalha é de ouro e dizem que ma vão roubar e vender"
    4:46
  • Como é que alguém (Rúben Semedo) com tanto pode perder tudo?
    3:05