sicnot

Perfil

Mundo

Líder da maior associação patronal do Brasil pede saída de Dilma Rousseff

O presidente da maior associação patronal do Brasil, a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), Paulo Skaf, pediu hoje a renúncia da Presidente do Brasil, Dilma Rousseff, devido à crise económica e à corrupção.

À esquerda Paulo Skaf, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

À esquerda Paulo Skaf, Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp).

Andre Penner

Em entrevista à radio brasileira Jovem Pan, Skaf disse que a saída de Rousseff permitiria o regresso do crescimento e o aumento da confiança dos investidores no país.

O dirigente falou horas depois de o ex-Presidente Luiz Inácio 'Lula' da Silva ter sido convocado para depor pela Polícia Federal na 24.ª fase da Operação Lava Jato, que investiga o escândalo de corrupção na petrolífera Petobras.

Sobre a convocação de Lula, Skaf relatou que está preocupado com a operação, mas explicou que o pedido de renúncia contra Rousseff vai além da operação policial de hoje.

O dirigente lembrou que a Fiesp aprovou por unanimidade, em dezembro passado, apoiando a abertura de um processo de destituição contra Rousseff, um processo que foi interrompido depois de o Tribunal Federal ter detetado "erros processuais".

Lusa

  • Passos acusa Governo de "sacudir água do capote"

    País

    O líder do PSD, Pedro Passos Coelho, acusou este sábado o Governo de "sacudir a água do capote" para não assumir a responsabilidade pelo que está a ser decidido, usando uma política de comunicação que considerou ser um "embuste".

  • Quase 200 polícias solidários com agentes acusados
    2:29

    País

    Perto de 200 polícias manifestaram-se este sábado na sede da PSP em Alfragide, em solidariedade com os 18 agentes acusados no processo Cova da Moura. O Sindicato Nacional de Polícia associou-se ao protesto e diz existir um aproveitamento político do caso.

  • Polícias ameaçam com protestos no arranque do campeonato
    1:24

    País

    Os agentes da PSP ameaçam boicotar a presença nos jogos do campeonato da Primeira e Segunda ligas que começam em 15 dias. Os agentes colocam em causa o atual modelo de policiamento no futebol, que faz com que muitos dos profissionais da PSP trabalhem sem remuneração em dia de folga.