sicnot

Perfil

Mundo

Militares moçambicanos feridos em confrontos com a Renamo

Militares das forças governamentais moçambicanas ficaram hoje feridos em confrontos com homens armados da Renamo em Honde, distrito de Barue, província de Manica, disseram hoje à Lusa vários moradores.

© Mike Hutchings / Reuters

Um contingente das forças estatais foi metralhado quando tentava aproximar-se de uma posição dos homens armados da Renamo (Resistência Nacional Moçambicana) aquartelados próximo da N7, a estrada que liga, no centro de Moçambique, os países interiores ao oceano indico.

"Eram quase 09:00 [menos duas em Portugal] quando os militares do Governo entraram em Honde, e foram até onde estão os militares da Renamo e começou a haver disparos. Muitos militares do governo saíram feridos e foram em direção a Chimoio", contou à Lusa por telefone um morador na região, sem precisar a quantidade de feridos ou a existência de baixas entre os guardas da oposição.

A Lusa testemunhou ao princípio da tarde a chegada de vários militares feridos ao hospital 1.º de Maio, na cidade de Chimoio, capital provincial de Manica, numa viatura da Unidade de Intervenção Rápida (UIR).

A Polícia em Manica não confirmou nem desmentiu à Lusa estes confrontos.

As forças estatais, contou um habitante local, enfrentaram os homens armados da Renamo, que têm estado a realizar revistas noturnas na N7, exigindo aos automobilistas que não circulem depois das três da madrugada.

"Os militares da Renamo fizeram-me parar, deviam ser 21:00 de quarta-feira, depois da ponte de Pungue sul, quando regressava de Catandica [Barue]. Vínhamos três pessoas, revistaram todo o carro, apalparam-nos os bolsos e depois disseram para seguir. Não levaram nada, só partiram o aparelho de som com uma coronhada", contou hoje à Lusa um taxista.

A ala militar da Renamo anunciou no princípio de fevereiro a pretensão de montar postos de controlo junto à N7 e N1, a principal estrada do país e onde foram montadas entretanto escoltas militares obrigatórias para viaturas civis, nos troços, Muxúnguè-Save e Nhamapadza-Caia.

Supostos homens armados da Renamo voltaram a metralhar as colunas escoltadas pelo exército nos últimos dois dias em ambos os troços, depois de quatro dias de pausa, contaram hoje à Lusa testemunhas e moradores.

"A coluna de quinta-feira de Nhamapadza-Caia sofreu uma baixa. Uma viatura foi incendiada e a coluna demorou muito a chegar a Caia" contou por telefone um motorista de um semicolectivo de passageiros, dando conta da possibilidade da ocorrência de mortos neste ataque.

Em declarações à imprensa, Daniel Macuacua, porta-voz da Polícia de Sofala, disse que não tinha conhecimento de ataques nos últimos três dias.

Moçambique vive uma das crises políticas e militares mais graves desde o Acordo Geral de Paz, assinado pelo Governo e Renamo em 1992 e que pôs termo a 16 anos de guerra civil, havendo registos de novos confrontos entres os mesmos protagonistas, num quadro de instabilidade agravado nas últimas semanas por ataques atribuídos à oposição na principal estrada do país.

A Renamo ameaça tomar pela força, a partir de março, as seis província no centro e norte de Moçambique onde reclama vitória nas últimas eleições gerais e cujos resultados não reconhece.

Apesar de o chefe de Estado moçambicano, Filipe Nyusi, e o líder da Renamo, Afonso Dhlakama, reiterarem a sua disponibilidade para o diálogo, o processo negocial entre o Governo e o principal partido de oposição continua bloqueado há vários meses.

Lusa

  • Marcelo saúda "forma rápida" como Conselho de Ministros "tratou de tudo"
    1:03

    País

    O Presidente da República lembra que é preciso convergência de forma a adotar rapidamente as medidas mais urgentes do plano de emergência. No concelho de Tábua, Marcelo Rebelo de Sousa destacou ainda os esforços do Conselho de Ministros, mas lembrou que as medidas anunciadas são apenas o início de um processo e não o fim.