sicnot

Perfil

Mundo

Navio "O Calypso" transportado para estaleiro em França para ser restaurado

O Calypso, o célebre navio de exploração oceanográfica do comandante Jacques-Yves Cousteau, foi hoje transportado para um estaleiro em Concarneau (oeste de França) para dar início a um longo processo de restauração.

© Reuters TV / Reuters

Segundo relatou um repórter fotográfico da agência noticiosa francesa AFP, a embarcação deixou um hangar neste porto francês, onde estava desde 2008 sem qualquer cuidado de preservação, e foi rebocado, dentro de uma estrutura metálica, até um dos cais do porto de Concarneau.

A viúva do explorador francês Jacques-Yves Cousteau, Francine, que preside a associação Equipa Cousteau, proprietária do navio, esteve presente para testemunhar o início dos trabalhos, bem como um grande grupo de curiosos.

Após os trabalhos de reforço da estrutura, o Calypso será colocado, em meados deste mês, num cargueiro para ser transportado para um local no Mediterrâneo para ser restaurado.

"Neste momento, não sei qual é o destino, nem o nome do local ou dos estaleiros que vão fazer a restauração", disse, em declarações à AFP, Francine Cousteau, que usava para a ocasião o gorro vermelho de Cousteau, outro elemento indissociável da imagem do explorador francês.

"É um momento muito emocionante para mim porque é um novo capítulo que se abre", afirmou a viúva, acrescentando que a reparação do Calypso "era uma vontade de Cousteau".

"Lutei por isto durante 20 anos", frisou.

Segundo a presidente da associação Equipa Cousteau, o processo de restauração do navio deverá prolongar-se pelo menos por dois anos.

Depois, o navio oceanográfico irá assumir novamente o papel de "embaixador dos oceanos".

"Terá um papel educativo, recebendo estudantes a bordo, mas também poderá certamente seguir os caminhos do comandante", disse ainda Francine Cousteau.

O Calypso, um antigo dragador construído em 1942 nos Estados Unidos, naufragou no porto de Singapura em 1996 -- um ano antes da morte de Cousteau - quando foi abalroado por uma barcaça.

O navio foi enviado para França e foi rebocado, apenas em 2007, para o porto de Concarneau, onde deveria ser restaurado. Os trabalhos de restauração sofreram vários atrasos e enfrentaram diversos obstáculos.

Um deles foi a disputa pela posse do navio entre Francine Cousteau, a segunda mulher de Cousteau, e os filhos do comandante.

Em 2009, um desentendimento entre os estaleiros e a associação Equipa Cousteau sobre a natureza e os valores monetários envolvidos na restauração determinou a interrupção dos trabalhos.

Em França chegou a ser lançada uma petição 'online' a defender a classificação do navio como património nacional francês.

Lusa

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.