sicnot

Perfil

Mundo

Navio "O Calypso" transportado para estaleiro em França para ser restaurado

O Calypso, o célebre navio de exploração oceanográfica do comandante Jacques-Yves Cousteau, foi hoje transportado para um estaleiro em Concarneau (oeste de França) para dar início a um longo processo de restauração.

© Reuters TV / Reuters

Segundo relatou um repórter fotográfico da agência noticiosa francesa AFP, a embarcação deixou um hangar neste porto francês, onde estava desde 2008 sem qualquer cuidado de preservação, e foi rebocado, dentro de uma estrutura metálica, até um dos cais do porto de Concarneau.

A viúva do explorador francês Jacques-Yves Cousteau, Francine, que preside a associação Equipa Cousteau, proprietária do navio, esteve presente para testemunhar o início dos trabalhos, bem como um grande grupo de curiosos.

Após os trabalhos de reforço da estrutura, o Calypso será colocado, em meados deste mês, num cargueiro para ser transportado para um local no Mediterrâneo para ser restaurado.

"Neste momento, não sei qual é o destino, nem o nome do local ou dos estaleiros que vão fazer a restauração", disse, em declarações à AFP, Francine Cousteau, que usava para a ocasião o gorro vermelho de Cousteau, outro elemento indissociável da imagem do explorador francês.

"É um momento muito emocionante para mim porque é um novo capítulo que se abre", afirmou a viúva, acrescentando que a reparação do Calypso "era uma vontade de Cousteau".

"Lutei por isto durante 20 anos", frisou.

Segundo a presidente da associação Equipa Cousteau, o processo de restauração do navio deverá prolongar-se pelo menos por dois anos.

Depois, o navio oceanográfico irá assumir novamente o papel de "embaixador dos oceanos".

"Terá um papel educativo, recebendo estudantes a bordo, mas também poderá certamente seguir os caminhos do comandante", disse ainda Francine Cousteau.

O Calypso, um antigo dragador construído em 1942 nos Estados Unidos, naufragou no porto de Singapura em 1996 -- um ano antes da morte de Cousteau - quando foi abalroado por uma barcaça.

O navio foi enviado para França e foi rebocado, apenas em 2007, para o porto de Concarneau, onde deveria ser restaurado. Os trabalhos de restauração sofreram vários atrasos e enfrentaram diversos obstáculos.

Um deles foi a disputa pela posse do navio entre Francine Cousteau, a segunda mulher de Cousteau, e os filhos do comandante.

Em 2009, um desentendimento entre os estaleiros e a associação Equipa Cousteau sobre a natureza e os valores monetários envolvidos na restauração determinou a interrupção dos trabalhos.

Em França chegou a ser lançada uma petição 'online' a defender a classificação do navio como património nacional francês.

Lusa

  • Negócios do Fogo
    22:00
  • Direção da Raríssimas na Madeira demitiu-se em setembro
    1:58

    País

    Três representantes da Raríssimas na ilha da Madeira demitiram-se, em setembro, de costas voltas para a direção. A delegação da instituição na ilha começou em 2015 e fechou com as três demissões. Em entrevista à SIC, uma das antigas delegadas afirmou que todos os fundos angariados foram para a sede, em Lisboa, ficando depois sem dinheiro para pagar as despesas.

  • Deputado do PSD recusa vice-presidência da Raríssimas
    1:58

    País

    Nas reações políticas ao caso da Raríssimas, o PSD e CDS dizem que é preciso acionar todos os mecanismos legais apropriados para averiguar a situação. O deputado social-democrata, Ricardo Baptista Leite, que tinha sido convidado recentemente para vice-presidente da instituição, diz que já não há condições para tomar posse.

  • Turistas aproveitam nevão na Serra da Estrela
    1:23
  • Fortes nevões no norte da Europa
    0:59
  • Dezenas de feridos em protestos contra decisão de Trump em Israel
    1:55
  • A brincadeira de um youtuber que podia ter acabado mal

    Mundo

    Um jovem youtuber inglês enfiou a cabeça num saco de plástico, prendeu-a na parte interna de um microondas e encheu depois o eletrodoméstico com cimento. A brincadeira, que podia ter acabado de forma trágica, deixou o jovem completamente preso e obrigou à intervenção dos serviços de emergência.

    SIC

  • "Popeye" russo pode ter que amputar braços

    Mundo

    Um jovem russo injetou um óleo no corpo para conseguir ter músculos, mais propriamente nos seus braços, que já cresceram cerca de 25 centímetros. Contudo, segundo um médico, o procedimento pode levar à necessidade de amputação, deixando o jovem sem os membros.