sicnot

Perfil

Mundo

Ataque contra autocarro no centro de Moçambique faz dois mortos

Um ataque de homens armados contra um autocarro em Honde, província de Manica, centro de Moçambique, provocou hoje dois mortos e oito feridos, disse a polícia moçambicana.

"Um grupo de cinco a sete bandidos armados disparou contra um machimbombo [autocarro] que levava passageiros de Chimoio para Tete, da companhia transportadora Nagi Investiment. Atingiram com gravidade o motorista, que perdeu os sentidos, largou o volante e entrou pela mata dentro cerca de 200 metros", descreveu em conferência de imprensa o comandante provincial da Polícia da República de Moçambique (PRM) em Manica.

Segundo Armando Mude, o ataque ocorreu entre as 08:30 e as 09:00 locais contra um autocarro cheio, com entre 60 e 70 passageiros, no distrito de Barue, na estrada N7, entre Honde e Chiuala, e um passageiro morreu, ao qual se juntaria um segundo óbito, o do próprio motorista, que perdeu a vida no centro de saúde de Catandica.

Oito pessoas ficaram feridas, das quais seis já tiveram alta e duas permanecem hospitalizadas, mas, de acordo com o comandante da polícia, sem gravidade.

Uma testemunha ouvida pela Lusa confirmou o ataque, relatando que o autocarro não travou quando um homem na estrada fez um sinal de paragem e, logo depois, um segundo abriu fogo.

"O ataque foi onde os homens [da Renamo, Resistência Nacional Moçambicana] fizeram um controlo para vasculhar carros. O machimbombo não parou quando fizeram sinal e talvez isso criasse desconfiança para ser atacado", contou um morador, descrevendo que o autocarro se despistou e embateu numa árvore.

Armando Mude diz não ter dúvidas de que o ataque foi realizado por homens armados da Renamo, pelo "modus operandi", e também devido à ameaça do movimento de oposição de assumir o controlo de várias estradas no centro de Moçambique, incluindo a N7.

"São eles, não temos dúvidas quanto a isso", referiu o comandante da PRM, acrescentando que, logo após a emboscada, os atacantes "nem tiveram tempo de revistar o machimbombo ou fazer o saque da bagagem dos passageiros.

Dali, puseram-se em fuga e desapareceram pela montanha acima, relatou.

Armando Mude disse que, após o ataque, a situação ficou calma em Honde, até pela curta proximidade, cerca de dois quilómetros, de efetivos policiais, e decorria hoje à tarde uma operação de perseguição aos suspeitos.

"Há uma perseguição muito forte, as forças de defesa e segurança estão ao encalço, e, neste momento, é provável que estejam nas mãos da polícia muito deles [atacantes]", declarou Mude, assegurando que "um trabalho de fundo vai culminar com o desaparecimento deles naquele troço e vão desistir".

Este ataque acontece um dia depois de o Presidente moçambicano ter dirigido um convite ao líder da Renamo para a retoma do diálogo, pedindo ao maior partido de oposição "máxima urgência" na designação dos seus representantes para preparar um encontro ao mais alto nível.

A carta, segundo a nota da Presidência, decorre da reunião, a 24 de fevereiro, do Conselho Nacional de Defesa e Segurança, que determinou a continuação dos esforços do chefe de Estado para a retoma do diálogo com o líder do maior partido de oposição.

No mesmo dia, em comunicado enviado à Lusa, o gabinete do presidente da Renamo, Afonso Dhlakama, acusou o Governo de ter mobilizado 4.500 membros das Forças de Defesa e Segurança para uma ofensiva em grande escala nas províncias de Manica e Sofala, centro do país, região de forte implantação do movimento.

Na mesma região de Honde, militares das forças governamentais moçambicanas ficaram feridos na sexta-feira em confrontos com homens armados da Renamo, disseram à Lusa vários moradores.

A Lusa testemunhou ao princípio da tarde a chegada de vários militares feridos ao hospital 1.º de Maio, na cidade de Chimoio, capital provincial de Manica, numa viatura da Unidade de Intervenção Rápida (UIR).

A Polícia em Manica não confirmou nem desmentiu à Lusa estes confrontos.

Lusa

  • Passos explica porque se irritou com Costa
    0:42

    Economia

    Depois das imagens em que surgiu visivelmente irritado com António Costa, no último debate quinzenal, Passos Coelho veio agora explicar porquê. Na discussão com o primeiro-ministro, o líder do PSD não gostou que Costa tivesse insinuado que a fuga de 10 mil milhões de euros para offshores tenha ocorrido por inação do Governo anterior.

  • Ferro Rodrigues desvaloriza críticas do CDS
    3:24

    Caso CGD

    Marcelo Rebelo de Sousa fez questão de receber em público Ferro Rodrigues antes de um almoço com o presidente da Assembleia da República. O Presidente também recebeu a representante do CDS-PP, Assunção Cristas, que foi apresentar queixa de Ferro Rodrigues e da maioria de esqueda em relação à comissão de inquérito da Caixa Geral de Depósitos. Ferro Rodrigues desvalorizou as críticas.

  • Luaty Beirão agredido em manifestação em Luanda
    1:27

    Mundo

    Luanda tem sido palco de várias manifestações contra a forma como está a decorrer o processo eleitoral em Angola. Esta sexta-feira, uma dessas manifestações acabou em confrontos com as autoridades. Entre os manifestantes estava o ativista Luaty Beirão.

  • Regime de Pyongyang nega envolvimento na morte de Kim Jong-nam 
    1:53

    Mundo

    A polícia da Malásia diz que o irmão do líder da Coreia do Norte foi morto com uma arma química. Os investigadores encontraram vestígios de gás VX no corpo de Kim Jong-nam, um gás letal proibido pelas convenções internacionais. O Governo da Coreia do Sul pediu esta sexta-feira ao regime de Pyongyang que admita que está por detrás da morte de Kim Jong-nam mas o mesmo já veio negar o envolvimento no assassinato.