sicnot

Perfil

Mundo

Astronauta cresce 4 cm no espaço mas encolhe na Terra

Scott Kelly esteve 340 dias no espaço, o que lhe valeu 3,81 centimetros. Mas desengane-se se pensa que esta é a solução para crescer nas alturas. Scott já voltou ao que era.

Astronautas Mark Kelly, à esquerda, e Scott Kelly, à direita

Astronautas Mark Kelly, à esquerda, e Scott Kelly, à direita

© MAXIM ZMEYEV / Reuters

A microgravidade tem destas coisas e a comprová-lo está Scott Kelly. Astronauta norte-americano esteve 340 dias na Estação Espacial Internacional, deu 5.440 voltas à terra e cresceu 3,81 cm.

Enquanto isso, o seu irmão gémeo Mark, também astronauta, manteve-se agarrado à Terra e ficou na mesma.

Esta comparação não se faz por acaso. Ambos acordaram ser "cobaias" num estudo, que vai durar dois anos, sobre o impacto psicológico e fisiológico de uma longa viagem no espaço, sobre o corpo humano.

"A gravidade encarregou-se de coloca-lo no seu lugar", brincou o irmão Mark. Scott voltou ao normal alguns dias depois.

Agora o desafio dos especialistas é entender estas mudanças.

  • Morreu o companheiro de Nelson Mandela

    Mundo

    Ahmed Kathrada, activista e ícone sul-africano que lutou ao lado de Mandela contra o "apartheid" morreu hoje aos 87 anos, informou a fundação de caridade Kathrada.

  • Mais de um milhão de crianças em risco de morrer à fome
    1:23
  • Vidas Suspensas: Delfim 353
    29:30
  • Esquerda contra a venda do Novo Banco
    1:51

    Economia

    O futuro do Novo Banco promete agitar a maioria de esquerda nas próximas semanas. O Bloco de Esquerda e o PCP estão contra os planos de privatização e insistem que a solução é nacionalizar o banco. O Bloco de Esquerda defende que privatizar 75% é o pior de dois mundos. Já o PCP diz que o banco deve ser integrado no setor público.

  • Identificadas 10 mil vítimas de violência em 2016
    1:32

    País

    Há cada vez mais homens e idosos a pedirem ajuda à Associação Portuguesa de Apoio à Vítima. Segundo o relatório anual da APAV conhecido esta segunda-feira, foram identificadas quase 10 mil vítimas de violência no ano passado. Cerca de 80% são mulheres casadas e com cerca de 50 anos.