sicnot

Perfil

Mundo

Israel justifica cancelamento da visita de Netanyahu a Washington com primárias nos EUA

Israel justificou hoje a decisão do primeiro-ministro de não visitar os Estados Unidos em meados do mês, declinando um convite para um encontro com o Presidente norte-americano, Barack Obama, por causa das primárias nos EUA.

reuters

"O primeiro-ministro aprecia a vontade de Obama de o encontrar na sexta-feira [dia 18] em Washington (...) [mas] decidiu não se deslocar a Washington de momento, dado que a campanha pelas primárias norte-americanas está em pleno andamento", indicaram hoje responsáveis do gabinete de Netanyahu em comunicado.

A Casa Branca afirmou na segunda-feira que Netanyahu declinou um convite de Barack Obama para um encontro em meados do mês, manifestando a sua "surpresa".

Um assessor de Obama afirmou que o Governo israelita pediu para que o encontro tivesse lugar a 17 ou 18 de março e a Casa Branca respondeu há duas semanas, selecionando a última data.

"Estávamos à espera de acolher um encontro bilateral e ficámos surpreendidos por saber, em primeiro lugar, através de informações dos meios de comunicação social, que o primeiro-ministro, ao invés de aceitar o nosso convite, optou por cancelar a visita", afirmou o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional Ned Price.

  • Economia portuguesa a crescer
    2:26
  • Os likes dos candidatos às autárquicas no Facebook
    4:00

    Autárquicas 2017

    Se há mais de 5 milhões de portugueses no Facebook, é natural que as autárquicas também passem pela rede social mais usada no país e no mundo. A SIC apresenta-lhe os 10 candidatos cujas páginas têm mais seguidores e, para a comparação ser mais justa, os que têm mais seguidores em Portugal - porque há também quem estranhamente tenha milhares de fãs em países como Egito, Filipinas ou Vietname.

  • Embaixador do Bangladesh pede ajuda aos portugueses no caso dos rohingya

    Mundo

    O embaixador do Bangladesh em Lisboa pediu esta sexta-feira aos portugueses que ajudem a resolver o problema dos rohingya. Desde o final de agosto, mais de 400 mil pessoas desta minoria muçulmana fugiram de Myanmar, a antiga Birmânia. O Bangladesh já tinha acolhido outros 400 mil refugiados e vê-se agora a braços com esta crise migratória. Pede por isso a Portugal que pressione Myanmar para aceitar de volta e em segurança os rohingya.