sicnot

Perfil

Mundo

Israel justifica cancelamento da visita de Netanyahu a Washington com primárias nos EUA

Israel justificou hoje a decisão do primeiro-ministro de não visitar os Estados Unidos em meados do mês, declinando um convite para um encontro com o Presidente norte-americano, Barack Obama, por causa das primárias nos EUA.

reuters

"O primeiro-ministro aprecia a vontade de Obama de o encontrar na sexta-feira [dia 18] em Washington (...) [mas] decidiu não se deslocar a Washington de momento, dado que a campanha pelas primárias norte-americanas está em pleno andamento", indicaram hoje responsáveis do gabinete de Netanyahu em comunicado.

A Casa Branca afirmou na segunda-feira que Netanyahu declinou um convite de Barack Obama para um encontro em meados do mês, manifestando a sua "surpresa".

Um assessor de Obama afirmou que o Governo israelita pediu para que o encontro tivesse lugar a 17 ou 18 de março e a Casa Branca respondeu há duas semanas, selecionando a última data.

"Estávamos à espera de acolher um encontro bilateral e ficámos surpreendidos por saber, em primeiro lugar, através de informações dos meios de comunicação social, que o primeiro-ministro, ao invés de aceitar o nosso convite, optou por cancelar a visita", afirmou o porta-voz do Conselho de Segurança Nacional Ned Price.

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.