sicnot

Perfil

Mundo

Japão rejeita críticas da ONU sobre caso das escravas sexuais

O Japão rejeitou hoje o parecer de um comité da ONU que criticou Tóquio por não definir "compensações efetivas" para as escravas sexuais da II Guerra Mundial, no âmbito de um recente acordo com a Coreia do Sul.

© Yuya Shino / Reuters

O ministro dos Negócios Estrangeiros japonês, Fumio Kishida, lamentou hoje que as conclusões do Comité da ONU "não reflitam de maneira precisa" o conteúdo do acordo com Seul que, segundo recordou, foi recebido de forma positiva pela comunidade internacional.

A 28 de dezembro, Tóquio anunciou que vai canalizar mil milhões de ienes (cerca de oito milhões de euros) para um fundo de compensação, a ser gerido por Seul, para as mulheres sul-coreanas que foram vítimas de exploração sexual pelo exército imperial durante a II Guerra Mundial, conhecidas pelo eufemismo "mulheres de conforto".

A questão das "mulheres de conforto" dificultou, durante décadas, as relações do Japão com os países que colonizou ou invadiu.

Estima-se que até 200 mil mulheres tenham sido forçadas a prestar serviços sexuais a tropas nipónicas, a maioria delas na China e na península coreana, entre os anos 30 do século passado e o final da II Guerra Mundial, que terminou em 1945.

"O secretário-geral da ONU, Ban Ki-moon, os Estados Unidos, o Reino Unido e muitos outros países receberam de forma positiva o acordo bilateral", insistiu o chefe da diplomacia nipónica, que considerou que as observações do painel "se distanciam muito da resposta internacional" que o pacto recebeu.

O Comité da ONU para a Eliminação da Discriminação Contra as Mulheres assinalou, esta segunda-feira, "a falta de compensações efetivas para as vítimas" no acordo de dezembro.

Nas suas observações, o painel também lamentou que Tóquio não tenha tido em conta anteriores recomendações do próprio comité que incluíam, por exemplo, a acusação judicial dos militares responsáveis por estas redes de prostituição forçada.

Lusa

  • Enfermeiros especialistas em saúde materna retomam protesto 

    País

    Os enfermeiros especialistas em saúde materna e obstetrícia voltam quinta-feira de manhã a interromper as funções especializadas, o que pode afetar blocos de parto e maternidades. Queixam-se de "falta de resposta política adequada" e "ausência de acordos sérios".

  • Reis de Espanha enviam mensagem para funeral das vítimas portuguesas
    0:52
  • Cristas vaiada em bairro de Chelas
    1:44

    Autárquicas 2017

    Assunção Cristas promete mudanças na Gebalis, a empresa municipal que gere os bairros sociais em Lisboa. Esta manhã, a candidata do CDS à câmara visitou um bairro de Chelas, onde foi vaiada por alguns populares.

  • Prestação da casa aumenta pela primeira vez desde 2014
    1:17

    Economia

    Pela primeira vez em três anos, as taxas de juro do crédito à habitação, estão a subir. A subida é de apenas 1 euro, mas é a primeira desde 2014, depois de em maio deste ano ter estabilizado e em junho ter descido. A justificação para este aumento é a evolução das taxas euribor.

  • "Em vez de ajudarem, estavam a tirar fotos dela a morrer"
    1:13