sicnot

Perfil

Mundo

Relator especial da ONU alerta para impunidade da polícia no Brasil

O relator especial das Nações Unidas sobre a tortura, Juan Mendez, criticou hoje, em Genebra, a impunidade dos crimes cometidos pela polícia e guardas prisionais no Brasil, considerando-os "alarmantes e de ocorrência regular".

© Reuters Photographer / Reuter

"A impunidade continua a ser a regra e não a exceção, a tortura por parte dos polícias e pelo pessoal penitenciário continua a ser um facto alarmante e de ocorrência regular", declarou o perito independente, que apresentava o seu relatório sobre tortura na 31ª sessão do Conselho de Direitos Humanos (CDH).

O especialista em direitos humanos sublinhou ainda que as minorias são as principais vítimas da violência da polícia e do pessoal penitenciário.

"Isso afeta principalmente as pessoas que pertencem a minorias raciais, sexuais, género, e outros grupos minoritários", apontou o perito que abordou a situação na sequência de uma missão no Brasil realizada no passado mês de agosto.

Embora o Governo brasileiro tenha conseguido progressos "significativos" na legislação, na prevenção e na reforma institucional, a implementação dessas iniciativas ainda apresentam um "atraso considerável", segundo Juan Mendez.

Neste sentido, o perito apelou às autoridades brasileiras que tomem medidas para "eliminar a brecha existente entre a legislação e políticas ambiciosas de país e o quotidiano das pessoas que se encontram privadas da sua liberdade ou em conflito com a lei".

No seu relatório, o especialista pediu a implementação de medidas para impedir a impunidade dos crimes por parte das autoridades brasileiras.

No seu relatório, aborda, entre outros casos, a abolição de mortes extrajudiciais, como os casos de resistência seguida de morte e a eliminação do uso excessivo da força pelos agentes de polícia e de segurança bem como o fornecimento de fundos suficientes para investigar casos de violência policial.

De origem mexicana, Júlio Mendez é relator especial sobre a tortura das Nações Unidas desde 2011.

Os relatores especiais mandatados pelo Conselho de Direitos Humanos das Nações Unidas são independentes de qualquer governo ou organização e prestam serviços em carácter individual.

Lusa

  • Ronaldo terá colocado milhões de euros nas Ilhas Virgens britânicas
    4:15

    Desporto

    José Mourinho e Cristiano Ronaldo são apenas dois dos nomes da maior fuga de informação na história do desporto. A plataforma informática Football Leaks forneceu milhões de documentos à revista alemã Der Spiegel, entre os quais documentos que indicam que o capitão da seleção nacional terá colocado milhões de euros da publicidade nas Ilhas Virgens britânicas. Os dados foram analisados por um consórcio de 60 jornalistas, do qual o Expresso faz parte, numa investigação que pode ler este sábado no semanário.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.