sicnot

Perfil

Mundo

Angola acusa Portugal de fazer "imposição" na CPLP

O ministro das Relações Exteriores de Angola disse hoje que a anunciada candidatura de Portugal ao cargo de secretário-executivo da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP) representa "uma imposição" que quebra os entendimentos naquela organização.

2002 - O Conselho de Ministros da CPLP aprova a criação do Instituto Internacional da Língua Portuguesa.

2002 - O Conselho de Ministros da CPLP aprova a criação do Instituto Internacional da Língua Portuguesa.

LUSA

O Governo português disse na segunda-feira desconhecer a existência de qualquer acordo que impossibilite a candidatura nacional a este cargo e recordou que, à luz dos estatutos da CPLP, "compete agora a Portugal assumir a responsabilidade de apresentar a candidatura a secretário executivo".

"É certo que não há nada escrito, mas, desde a criação da CPLP, quando se escolheu Portugal para sede da organização, inclusive, com o maior número de funcionários, foi acordado que deve abdicar da presidência do órgão executivo", reagiu George Chikoti, falando ainda num "mal-estar" dentro da organização.

Citado hoje no estatal Jornal de Angola, o chefe da Diplomacia angolana afirma que "Portugal quer fazer uma imposição", quando se sabe que é a vez de São Tomé e Príncipe assumir o cargo.

"Vamos ter uma reunião no dia 17 em Lisboa e lá trataremos deste assunto", disse ainda o ministro das Relações Exteriores.

O primeiro-ministro de São Tomé e Príncipe, Patrice Trovoada, anunciou terça-feira que vai apresentar um candidato a secretário-executivo da CPLP, que deverá ser aprovado na conferência de chefes de Estado e de Governo, que ocorrerá em julho, no Brasil.

"São Tomé e Príncipe irá apresentar uma candidatura e é evidente que teremos todo o cuidado de apresentar uma personalidade idónea, que pode trazer valor acrescentado à nossa organização e esperemos que essa candidatura passe", disse Patrice Trovoada.

O primeiro-ministro acrescentou que a candidatura são-tomense ao cargo de secretário-executivo da CPLP não será contra Portugal, país cujo ministro dos Negócios Estrangeiros, Augusto Santos Silva, já garantiu apresentará um nome para o cargo de secretário-executivo dessa organização.

Patrice Trovoada comentou o acordo existente a nível dos membros da CPLP nessa matéria, sublinhando que "esse entendimento foi confirmado ao nível dos PALOP na última cimeira da União Africana".

Fonte oficial do Ministério dos Negócios Estrangeiros português afirmou que "Portugal não enjeita, naturalmente, essa responsabilidade [a presidência da CPLP], estando disponível para exercê-la".

Na segunda-feira, o primeiro-ministro cabo-verdiano, José Maria Neves, afirmou que há um acordo verbal que estipula que o país que acolhe a sede da CPLP (Portugal) abdica de apresentar candidatura ao secretariado executivo e apelou à negociação na comunidade para a eleição, que deverá ocorrer na próxima cimeira da organização, prevista para o verão, no Brasil.

O secretário-executivo, Murade Murargy, confirmou esta versão, referindo ter ouvido falar na existência de um "acordo de cavalheiros" nesse sentido, da altura da criação da CPLP, em 1996, e mencionou que essa a prática internacional é que os países que acolhem as sedes das organizações não se candidatam à sua direção.

Posições opostas tiveram o primeiro secretário-executivo da CPLP, o angolano Marcolino Moco, bem como o cabo-verdiano Luís Fonseca (que ocupou este cargo entre 2004 e 2008), que disseram desconhecer a existência deste acordo, à data das suas responsabilidades na CPLP, mas ambos admitiram ter ouvido falar dele recentemente.

De acordo com o artigo 18.º dos estatutos da comunidade, "o secretário-executivo é uma alta personalidade de um dos Estados-membros da CPLP, eleito para um mandato de dois anos, mediante candidatura apresentada rotativamente pelos Estado-membros por ordem alfabética crescente".

Lusa

  • Presidente do Tondela diz que clube foi humilhado
    1:26

    Desporto

    O presidente do Tondela participou esta segunda-feira na conferência de imprensa após o jogo da 23.ª jornada da I Liga com o Sporting. Gilberto Coimbra criticou o árbitro do encontro João Capela, e diz que o tempo de compensação dado a mais foi por uma falta que não foi assinalada sobre um jogador do Tondela, Bruno Monteiro.

  • Último golo do Sporting ao Tondela "é legal e limpinho" 
    0:41

    Desporto

    Jorge Jesus entende que a vitória desta segunda-feira do Sporting frente ao Tondela não merece contestação e destaca o facto de o árbitro ter avisado os jogadores que iria prolongar o tempo extra. Para o treinador dos leões, o golo no minuto 99' é legal. 

  • Deputados pedem medidas urgentes para travar exploração de urânio junto à fronteira
    3:06

    País

    Um projeto de exploração de urânio no município de Retortilho em Salamanca, a cerca de 40 quilómetros da fronteira portuguesa, está a causar preocupação nos dois países. Portugueses e espanhóis temem o risco de contaminação por via aérea e fluvial. Deputados portugueses visitaram o local, onde pediram medidas firmas e urgentes ao Governo para travar o projeto. As autoridades de Espanha não acionaram o mecanismo de avaliação ambiental partilhada.

  • Mulher enterrada viva no Brasil
    1:13

    Mundo

    Uma mulher de 37 anos terá sido enterrada viva no oeste da Bahia, no Brasil. A certidão de óbito aponta um choque séptico como a causa da morte, mas os ferimentos com que foi encontrada no interior do caixão indicam um possível erro. Os moradores de casas vizinhas do cemitério municipal onde Rosângela dos Santos foi enterrada ouviram gritos vindos do túmulo.

  • "Os Estados Unidos são uma sociedade de pistoleiros"
    3:47
  • Trump desafia Oprah a candidatar-se para ser derrotada

    Mundo

    Apesar de Oprah Winfrey ter excluído uma eventual candidatura às eleições presidenciais dos Estados Unidos da América, Donald Trump ainda não se esqueceu dos rumores e desafiou a apresentadora a candidatar-se em 2020. Através do Twitter, o Presidente norte-americano disse ainda que assim poderia ser "exposta e derrotada como todos os outros".

    SIC