sicnot

Perfil

Mundo

Cão gravemente ferido em incêndio nos EUA torna-se bombeiro

Jake tinha apenas três semanas quando 75% do seu corpo ficou queimado. Está, agora, a recuperar e tornou-se bombeiro.

facebook.com/Jakes-Page

facebook.com/Jakes-Page

Em pouco menos de dois anos, Jake passou de cão assustado em perigo de vida a um cão treinado para combater fogos.

Quando tinha apenas três semanas, esteve envolvido num incêndio numa casa que queimou 75% do seu corpo. Foi salvo e agora faz parte da equipa de bombeiros.

Foi resgatado na Carolina do Sul, nos Estados Unidos, por Bill Lindler, um bombeiro.

Em abril de 2014, Lindler reparou que fumo e chamas estavam a sair da propriedade de vizinhos. Quando ele e os colegas entraram no edifício, viu o cão encolhido e assustado num canto. Teve sorte em sobreviver. Foi-lhe feita respiração "boca-a-focinho" e foi levado para o veterinário com queimaduras de segundo e terceiro grau em cerca de 75% do corpo, incluindo as patas. "A maior parte dos animais não sobrevivem, normalmente, a este tipo de queimaduras graves", disse Lindler ao Buzzfeed News, segundo conta o The Telegraph.

Os vizinhos não puderam pagar os custos do veterinário. Por isso, o seu "salvador" resolveu falar com a mulher e decidiram adotá-lo.

Jake teve de ficar em tratamento médico 24 horas por dia durante seis semanas. Assim que recuperou, tornou-se favorito do Departamento de Bombeiros de Hanahan.

Em dezembro, foi contratado como bombeiro e tornou-se, também, a mascote da corporação.

  • Incêndio destrói igreja em Ponte da Barca
    1:49

    País

    Um incêndio destruiu na última madrugada a Igreja de Lavradas, em Ponte da Barca. A Polícia Judiciária de Braga está a investigar as causas do fogo, mas tudo aponta para um curto-circuito.

  • Bairro em Loures não tem luz há mais de um ano
    2:30

    País

    O bairro da Torre, junto ao aeroporto de Lisboa mas ainda no concelho de Loures, não tem eletricidade nem nos postes, nem nas casas. A EDP e os moradores nunca chegaram a acordo para uma solução de pagamento coletivo e a empresa, para acabar com as puxadas eléctricas ilegais, decidiu cortar de vez o abastecimento há mais de um ano.