sicnot

Perfil

Mundo

Hungria declara estado de crise no país devido à imigração

O governo da Hungria declarou hoje o "estado de crise" em todo o país devido à imigração e pretende reforçar a segurança das fronteiras a sul, anunciou em Budapeste o ministro do Interior húngaro, Sandor Pinter.

© Karoly Arvai / Reuters

O ministro recordou que a Eslovénia, a Sérvia e a Croácia começaram hoje a aplicar restrições fronteiriças para restaurar as normas do espaço Schengen (espaço europeu de livre circulação), o que significa que a rota migratória dos Balcãs está praticamente fechada para os refugiados.

"Não sabemos como vão reagir os migrantes que ainda permanecem nestes países", afirmou Sandor Pinter, ao explicar a medida do executivo de Budapeste à comunicação social local.

O ministro reiterou ainda a intenção do governo húngaro de erguer uma vedação na fronteira com a Roménia caso os migrantes optarem por atravessar o território romeno para entrar na Hungria e, desta forma, entrar no espaço Schengen.

As autoridades húngaras mobilizaram centenas de soldados e de polícias para as zonas fronteiriças e a "capacidade de reação" destes operacionais será reforçada com um aumento de veículos, segundo explicou Sandor Pinter.

Num cenário de estado de crise, que inicialmente pode durar até seis meses e ser prolongado posteriormente, o Estado pode reforçar os controlos fronteiriços e as forças de segurança (polícia e exército) podem assumir a tarefa de registar os requerentes de asilo.

Em setembro do ano passado, o governo húngaro já tinha declarado o "estado de crise" nas províncias do sul do país, depois de ter encerrado as fronteiras com a Sérvia e a Croácia com vedações.

Lusa

  • Alianças do PS marcam discursos no Congresso do PS
    2:51
  • Souto de Moura feliz com distinção na Bienal de Arquitetura de Veneza
    1:10
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos. Depois de um curso intensivo de português durante três meses, os jovens vão iniciar o ano letivo em vários pontos do país.