sicnot

Perfil

Mundo

Irão dispara mísseis balísticos em novo teste

O Irão efetuou hoje dois novos disparos de mísseis balísticos, com um alcance de cerca de 1.400 quilómetros, declarou o número dois dos Guardas da Revolução, depois de testes idênticos terem suscitado a "preocupação"dos Estados Unidos.

© Reuters Photographer / Reuter

"Os mísseis de precisão Qadr-H e Qadr-F, de longo alcance, foram disparados hoje (...) destruindo alvos nos locais identificados" na costa sudeste do Irão, noticiou o serviço de comunicação social dos Guardas da Revolução e a agência oficial Irna, citando o general Hossein Salami.

A 18 de janeiro, o Irão considerou "ilegítimas" as novas sanções que lhe impôs os Estados Unidos da América (EUA) devido ao seu programa de mísseis balísticos.

"São ilegítimas porque o programa balístico do Irão não é conhecido por ter a capacidade de transportar cabeças nucleares", afirmou nesse dia o porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros iraniano, Hossein Jaber Ansari, citado pela Isna.

O Irão vai "responder a estes atos de propaganda acelerando o seu programa balístico legal e aumentando as suas capacidades de defesa", acrescentou o mesmo porta-voz, naquele dia.

Os EUA haviam anunciado as novas sanções no dia anterior e já depois de ter começado a ser aplicado o acordo nuclear alcançado entre o Irão e as grandes potências mundiais.

Por causa desse acordo, a 16 de janeiro, os EUA, a União Europeia e o Conselho de Segurança das Nações Unidas levantaram todas as sanções que aplicavam ao Irão devido ao seu programa nuclear.

"O programa de mísseis balísticos do Irão representa uma ameaça significativa para a segurança regional e global e vai continuar a ser objeto de sanções internacionais", justificou Adam J. Szubin, subsecretário para o Terrorismo e Inteligência financeira dos EUA, num comunicado divulgado a 17 de janeiro.

Ao abrigo das novas sanções, cinco cidadãos iranianos e uma rede de empresas com sede nos Emirados Árabes Unidos e na China foram incluídos na 'lista negra' norte-americana, informou, em comunicado, o Departamento do Tesouro, acusando-os de trabalharem na aquisição de componentes para misseis balísticos iranianos.

Lusa

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.