sicnot

Perfil

Mundo

Mistério cinzento de Mercúrio resolvido

Os cientistas conseguiram perceber porque o planeta Mercúrio é tão cinzento, graças aos últimos dados enviados pela sonda Messenger, que se despenhou no planeta em 2014.

© NASA NASA / Reuters

Ao fim de uma década no espaço, já sem combustível, a sonda da NASA Messenger acabou a sua missão despenhando-se no planeta Mercúrio. Mas ainda enviou dados para a Terra, o que possibilitou aos cientistas perceber porque é tão escuro.

Mercúrio está envolvido por uma camada de grafite - o mineral com que são feitas as minas dos lápis, uma forma de carbono. Esta camada foi em tempos um oceano de magma que foi sendo alterado por impactos de asteroides, revelam no estudo publicado na revista Nature Geoscience.

Missão Messenger durou 10 anos

Lançada em 2004, a Messenger, acrónimo de MErcury Surface, Space ENvironment, GEochemistry, and Ranging (Superfície, Ambiente Espacial, Geoquímica e Alinhamento de Mercúrio), entrou na órbita de Mercúrio em 2011, depois de três aproximações.

Em 21 de abril, o centro de controlo do Laboratório de Física Aplicada da Universidade de Johns Hopkins, em Laurel, no Estado do Maryland, situado no leste dos EUA, executou a primeira de quatro correções de órbita.

A última manobra foi efetuada em 24 de abril, esgotando praticamente o combustível, de hélio.

Prevista inicialmente para durar um ano, a missão da Messenger foi prolongada duas vezes, continuando por quase mais quatro anos.

  • Hasta pública de madeira ardida rendeu 2,85 milhões de euros

    País

    Mais de meia centena de lotes de madeira ardida proveniente de matas nacionais e perímetros florestais geridos pelo Instituto da Conservação da Natureza e das Florestas (ICNF) foram esta quinta-feira vendidos por 2,85 milhões de euros, numa hasta pública em Viseu.

  • Manifestações de apoio aos pais de Alfie impedidos de o levar para Itália
    3:03

    Mundo

    A justiça britânica rejeitou um novo recurso dos pais do bebé Alfie, que está em estado semivegetativo. O objetivo era levar o menino para Itália, para ser assistido numa unidade pediátrica no Vaticano. Os pais não querem que as máquinas sejam desligadas, mas os médicos defendem que os tratamentos são inúteis.