sicnot

Perfil

Mundo

Traços do rosto humano modificaram com introdução de carne na alimentação

A introdução de carne crua na dieta e o uso de instrumentos de pedras básicos permitiu a redução do tamanho do rosto e dentes dos hominídeos, segundo um estudo divulgado hoje na revista britânica "Nature".

© Laszlo Balogh / Reuters

O estudo sugere que a carne e os instrumentos do Paleolítico, e não a posterior chegada da cozinha, permitiram a redução do tamanho dos traços relacionados com o ato de mastigar, incluindo do rosto e dos dentes.

O processo de seleção permitiu também melhorar outras funções como a fala e a termorregulação.

No tempo do Homo Erectus (há dois milhões de anos), os seres humanos desenvolveram cérebros e corpos que exigiam maiores reservas de energia diária.

Ao mesmo tempo, também desenvolveram dentaduras mais pequenas, músculos de mastigação e mandíbulas mais débeis, assim como intestinos menores do que nas anteriores espécies.

A investigação sugere que aquelas mudanças foram possíveis com a inclusão de mais carne na dieta, no processamento da comida através de ferramentas de pedra e com o cozinhar dos alimentos, apesar de aquela prática apenas se tornar comum há 500.000 anos.

Daniel Lieberman e Katherine Zink, da Universidade de Harvard, avaliaram como as técnicas de processamento de alimentos no Paleolítico afetaram o esforço necessário na mastigação.

Descobriram que ao picar a carne e triturar as verduras com os instrumentos de pedra, antes de os ingerir, o homem primitivo gastava menos energia na mastigação.

Os cientistas concluíram que aquela redução do esforço para mastigar produziu uma transformação nos músculos do rosto.

Lusa

  • Incêndios em Portugal - um mês depois
    9:10

    Reportagem Especial

    Regressar a casa para refazer a vida é tudo o que querem as famílias a quem o fogo levou quase tudo, há cerca de um mês. Contudo, esse regresso não tem sido fácil. Depois dos incêndios, famílias e empresas ainda têm de vencer as burocracias. A Reportagem Especial deste sábado regressa a Seia, onde arderam mais de 70 casas de primeira habitação e onde a vida de muitos parece ter entrado num impasse.

  • CIP contra 600€ de salário mínimo, ameaça boicatar iniciativas do governo
    1:28

    Economia

    O presidente da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) está contra o aumento do salário mínimo para 600€. Em entrevista conjunta à Antena1 e ao Jornal de Negócios, o presidente António Saraiva considerou a proposta "uma luta partidária" dos comunistas com o Bloco de Esquerda" e ameaça boicotar a presença em iniciativas publicas, promovidas pelo executivo.