sicnot

Perfil

Mundo

Vítimas do tsunami no Japão vão demorar 10 anos a voltar a casa

Cerca de 59 mil pessoas desalojadas pelo maremoto que arrasou o nordeste do Japão, há cinco anos, vão demorar pelo menos outros cinco para conseguirem regressar aos antigos locais de residência, devido às dificuldades na recuperação da região.

Japão, 11 de março de 2011: um sismo de magnitude 9 seguido de um tsunami devastou a região de Tohoku (nordeste), fazendo quase 19.000 mortos e provocando um grave acidente nuclear na central de Fukushima.

Japão, 11 de março de 2011: um sismo de magnitude 9 seguido de um tsunami devastou a região de Tohoku (nordeste), fazendo quase 19.000 mortos e provocando um grave acidente nuclear na central de Fukushima.

© Yomiuri Yomiuri / Reuters

Nas prefeituras de Iwate, Miyagi e Fukushima as autoridades continuam a trabalhar na reabilitação das zonas devastadas e na construção de novas casas para os desalojados, mas a falta de terrenos mais elevados para construções seguras e de financiamento e mão de obra estão a atrasar o processo.

Dos 46 municípios da zona, 17 não sabem quando poderão regressar todos os residentes que foram retirados, depois do maremoto que causou perto de 18.500 mortos e desaparecidos (15.849 mortos e 2.561 desaparecidos), de acordo com o último balanço da polícia japonesa, divulgado no mês passado.

Entre estes 17 contam-se 11 localidades da prefeitura de Fukushima, onde também dezenas de milhares de pessoas foram retiradas na sequência do acidente nuclear desencadeado pelo maremoto de 11 de março de 2011.

Cerca de oito mil trabalhadores - peritos de energia nuclear, engenheiros e técnicos de diferentes áreas, entre muitos outros - trabalham todos os dias na central.

Cinco anos depois da catástrofe, o operador da central - Tokyo Electric Power (TEPCO) - admitiu em fevereiro ter desvalorizado a gravidade do estado dos reatores, por não ter reconhecido, com a rapidez necessária, que três deles tinham entrado em fusão.

A onda gigantesca criada pelo violento de sismo de 9,0 de magnitude submergiu as instalações, a eletricidade foi cortada, os sistemas de arrefecimento do combustível nuclear pararam, levando a fusão do combustível do núcleo de três dos seis reatores. As explosões de hidrogénio destruíram parte dos edifícios de Fukushima Daiichi.

Só em maio de 2011, dois meses depois do acidente, a TEPCO usou a expressão "fusão do núcleo" do reator.

A TEPCO foi acusada de falta de preparação que resultou numa gestão deficiente do acidente nuclear, mas o presidente da empresa, Naomi Hirose, refutou as acusações de camuflagem das informações sobre a gravidade da situação, sem negar uma comunicação inapropriada.

"A 14 de março de 2011, efetuámos medições para avaliar a proporção dos danos no núcleo dos reatores e deduzimos que era de 55% para a unidade número um. Esta informação foi transmitida às autoridades", disse, perante uma comissão parlamentar, sublinhando "não ter existido qualquer intenção de dissimular os dados".

A empresa é criticada por não ter usado o termo "meltdown" (fusão do núcleo), mais correta para identificar a gravidade da situação, apesar de os manuais de gestão de crise da TEPCO especificarem claramente que "se os danos no núcleo de um reator excederm 5%, pode deduzir-se que se está na presença de uma fusão".

Fukushima Daiichi continua sob a ameaça de uma outra catástrofe natural, mas atualmente "as equipas estão mais bem preparadas e os potenciais riscos inerentes ao combustível dos reatores é menor, apesar de continuar a ser absolutamente imprescindível arrefecer o conjunto" dos reatores, indicou o diretor da central, Akira Ono.

A TEPCO construiu novos muros que supostamente poderão travar um 'tsunami' de 15 metros, como aconteceu em março de 2011.

As condições de trabalho também melhoraram e em grande parte da central deixou de ser obrigatório o uso de máscara facial integral, um edifício para descansar e com refeitório voltou a estar aberto e os operários têm equipamentos de controlo de níveis de radiação de última geração, garantiu a empresa.

Mas no interior dos edifícios dos reatores a radioatividade continua extremamente elevada, ainda inacessíveis ao homem.

Mais de um milhar de enormes reservatórios guardam importantes quantidades de água em parte contaminada, à qual ninguém sabe ainda o que fazer. As autoridades nucleares japonesa e internacionais continuam a considerar como opção o seu lançamento no mar.

Serão precisas pelo menos quatro décadas para desmantelar esta central, situada a pouco mais de 200 quilómetros a nordeste de Tóquio, com tecnologias que, na maioria dos casos, ainda estão por inventar.

"Nesta fase, é como se acabassemos de subir a primeira etapa de uma montanha", confessou Ono, recorrendo a uma fórmula japonesa corrente que significa que apenas 10% do caminho foi percorrido.

Lusa

  • Saco azul do BES pagou a 106 pessoas e 96 avenças ocultas
    2:21

    Economia

    Pelo menos 106 pessoas receberam dinheiro da Espirito Santo Enterprises, a companhia offshore criada nas Ilhas Virgens Britânicas e que terá funcionado como um gigantesco saco azul do Grupo Espirito Santo. O jornal Expresso revelou os primeiros vinte nomes da lista, entre os quais estão Zeinal Bava, antigo CEO da PT, e Manuel Pinho, ex-ministro da economia do Governo de José Sócrates.

  • Novo Banco vai reestruturar dívida de Luís Filipe Vieira
    1:22

    Desporto

    O Novo Banco vai reestruturar parte da dívida da empresa de Luís Filipe Vieira, que ronda os 400 milhões de euros. Parte dos ativos da empresa foram transferidos para um fundo para serem rentabilizados no prazo de cinco anos. Esse fundo está a ser gerido pelo vice-presidente do Benfica.

  • Caso que está a gerar tensão entre Angola e Portugal chega a tribunal 2ª.feira
    1:32

    País

    O julgamento da Operação Fizz começa esta segunda feira numa altura em que o tribunal da Relação ainda não decidiu se aceita o pedido de Luanda para que Manuel Vicente seja julgado em Angola. O Presidente da República Marcelo Rebelo de Sousa foi arrolado pelo tribunal como testemunha e já respondeu por escrito. O processo será julgado no tribunal da comarca de Lisboa pelo coletivo de juízes formado por Alfredo Costa, Helena Pinto e Ana Guerreiro da Silva, estando o Ministério Público representado pelo procurador José Góis.

  • Mais de 60% dos jovens não usam preservativo
    1:42
  • Dissonâncias entre EUA e Europa "podem ser ultrapassadas"
    1:04

    Mundo

    O ministro dos Negócios Estrangeiros reconhece que há sinais manifestos de dissonância na política externa da Europa e dos Estados Unidos da América. No dia em que Donald Trump completa um ano na Casa Branca, Augusto Santos Silva diz que acredita, no entanto, que essas divergências podem ser ultrapassadas.

  • Há mais um suspeito do massacre de Las Vegas 
    0:27

    Mundo

    Em outubro passado, Stephen Paddock abriu fogo sobre os espetadores de um concerto de música country, em Las Vegas, matando 58 pessoas e ferindo quase 500, no mais sangrento tiroteio da história norte-americana recente. A novidade é que a polícia federal dos EUA abriu uma investigação sobre um segundo suspeito no tiroteio. A Polícia Metropolitana disse que não há ainda um motivo para o tiroteio mas aponta como uma das possíveis razões o facto de Stephen Paddock ter perdido uma grande quantia de dinheiro. Os investigadores descobriram ainda que o atirador possuía pornografia infantil no seu computador.