sicnot

Perfil

Mundo

Deputadas iranianas apresentam queixa contra deputado que as considerou ignorantes

Deputadas iranianas apresentaram uma queixa contra um colega masculino que considerou que no parlamento não há lugar para "ignorantes e mulheres", referiram hoje os "media" em Teerão.

Parlamento iraniano.

Parlamento iraniano.

© Raheb Homavandi / Reuters

Um vídeo mostra um novo deputado conservador, Neder Ghazipour, eleito por d'Ouroumiyeh (noroeste), a pronunciar estas palavras durante um comício eleitoral em fevereiro, e que foi amplamente difundido e comentado nas redes sociais.

"O parlamento não é um lugar para (...) ignorantes e mulheres", disse no discurso, acrescentando ainda comentários deselegantes dirigidos às mulheres.

Diversas deputadas iranianas, juntamente com colegas masculinos, apresentaram uma queixa junto do procurador-geral, da comissão parlamentar de vigilância, do presidente cessante do parlamento, Ali Larijani, e ainda a Fatemeh Rahbar, presidente do grupo das eleitas para o hemiciclo, referiu a agência noticiosa oficial Irna.

"Ghazipour acusou as mulheres e deve ser considerado responsável", indicou Rahbar, do campo conservador, em declarações à Irna. Ao jornal reformador Sharg declarou que as suas declarações constituem "não apenas um insulto às mulheres, mas a todo o parlamento".

Perante as ameaças de um processo, o deputado turcófono limitou-se a referir que não pretendia referir-se "a todas as mulheres".

Na rede social Telegram foi iniciada uma campanha para exigir que o novo eleito por d'Ouroumiyeh, que inicia as suas funções em maio, seja impedido de assumir funções no parlamento.

Atualmente existem nove mulheres entre os 290 lugares no parlamento, mas serão pelo menos 14 na próxima assembleia eleita nas legislativas de 26 de fevereiro. Em abril, está prevista uma segunda volta para preencher os 69 lugares ainda sem representante.

Perante o grande desequilíbrio num país onde 50,4% dos 79 milhões de habitantes são mulheres, militantes da causa feminista organizaram antes das eleições uma campanha designada "Mudar a face masculina do parlamento".

Lusa

  • Paulo Macedo pede calma para o bem do banco
    1:45

    Caso CGD

    Paulo Macedo falou pela primeira vez desde que foi eleito o novo Presidente da Caixa Geral de Depósitos e, para o bem do banco público, pediu calma a todos. Passos Coelho veio dizer que a recapitalização da Caixa pode ter de ser feita no verão do próximo ano para salvaguardar o défice deste ano. Já António Costa preferiu não comentar as declarações de Passos e diz que o banco público há muito que precisava de ser recapitalizado.

  • Condutores continuam com dúvidas em como circular numa rotunda
    2:06

    País

    Circular nas rotundas continua a ser um problema para muitos condutores. Cerca de 3 mil foram multados nos últimos três anos depois da entrada em vigor do novo código, os números são avançados pela Autoridade Nacional de Segurança Rodoviária. Os instrutores de condução dizem que a medida provoca mais confusão nas horas de ponta.

  • O que aconteceu à menina síria que relatava a guerra no Twitter?
    1:59
  • Youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Reportagem da SIC "Renegados"
    1:27

    Grande Reportagem SIC

    O youtuber Miguel Paraiso escreveu uma paródia musical para a Grande Reportagem SIC "Renegados". Desde ontem já teve 67 mil visualizações no Facebook. Imagine que ia renovar o cartão de cidadão e diziam-lhe que afinal não é português? Mesmo tendo nascido, crescido, estudado e trabalhado sempre em Portugal? Foi o que aconteceu a inúmeras pessoas que nasceram depois de 1981, quando a lei da nacionalidade foi alterada.«Renegados» é como se sentem estes filhos de uma pátria que os excluiu. Para ver, esta quarta-feira, no Jornal da Noite da SIC.

  • "A nossa guerra não deixou heróis, só vilões e vítimas"
    5:26

    Mundo

    Luaty Beirão é o rosto mais visível de um movimento de contestação ao regime angolano que começou em 2011, ano da Primavera árabe. Mas a par dos 15+2, mediatizados num processo que os condenou por lerem um livro, outros activistas arriscam diariamente a liberdade.