sicnot

Perfil

Mundo

EUA alertam para risco de colapso da barragem de Mossul

Os Estados Unidos lançaram na quarta-feira um apelo à mobilização internacional para prevenir uma "catástrofe humana de proporções gigantescas" que pode ser causada por um colapso da barragem de Mossul, no norte do Iraque.

© Azad Lashkari / Reuters

Esta barragem sobre o Tigre, a maior do Iraque, apresenta elevados riscos de rutura porque foi construída num solo instável. Localiza-se a montante da cidade de Mossul, a segunda cidade do país, tomada pelos extremistas do grupo Estado Islâmico (EI).

Uma rutura da barragem resultaria numa onda enorme que devastaria Mossul, capaz também de inundar a capital iraquiana, Bagdade, que se situa a 400 quilómetros a sul. No total, a catástrofe poderia afetar até 1,5 milhões de pessoas.

A embaixadora norte-americana junto da ONU, Samantha Power, apelou a todos os membros das Nações Unidas para tomarem medidas para prevenir essa catástrofe.

Power fez este apelo após ter presidido a uma reunião com o embaixador do Iraque junto da ONU, Mohammed al-Hakim, no decurso da qual foi informada da situação.

"É essencial que todos os membros da ONU sejam rapidamente informados da importância do problema e da necessidade de estarem preparados para evitar uma catástrofe humana de gigantescas proporções", declarou Samantha Power, num comunicado divulgado pela missão norte-americana na ONU.

A diplomata considerou "arrepiantes" as apresentações de especialistas técnicos, engenheiros e representantes de agências da ONU responsáveis pela ajuda e desenvolvimento.

Lusa

  • Frio no fim de semana, regiões do interior podem chegar aos -5 °C
    1:23

    País

    A Proteção Civil emitiu um alerta para o tempo frio e seco e pede cuidados redobrados. As temperaturas já começaram a descer, com regiões a registarem valores negativos. No interior, podem chegar aos 5 graus negativos. Até ao Natal o tempo vai manter-se frio, seco e com ausência de chuva.

  • Bombeiro ferido nos fogos de Pedrógão Grande regressou a casa
    2:33

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Seis meses depois dos incêndios de Pedrógão Grande, regressou a casa o último dos bombeiros de Castanheira de Pera que estava internado desde junho. Rui Rosinha esteve em coma mais de dois meses e tem ainda pela frente uma longa recuperação. O bombeiro não quer que o país esqueça o que aconteceu e espera que as duas tragédias deste ano (fogos de junho e outubro) sirvam de lição para o futuro.

  • Pedrógão Grande, seis meses depois - documentário Expresso
    0:29
  • Fitch retira Portugal do "lixo"
    2:20
  • PS volta a subir nas intenções de voto e não baixa dos 40%
    2:01
  • Marcelo evita "ideia de que o ano foi todo muito bom"
    3:14

    País

    Marcelo Rebelo de Sousa disse esta sexta-feira que 2017 teve "o melhor e o pior" e que "é preciso evitar a "ideia que o ano foi todo muito bom". O Presidente da República fez estas declarações depois de António Costa ter dito que a nível económico este "foi um ano particularmente saboroso".