sicnot

Perfil

Mundo

Irão executou 966 pessoas em 2015

O Irão executou no ano passado 966 pessoas, o maior número dos últimos 20 anos, com 65 por cento das condenações relacionadas com droga, indicou esta quinta-feira o relator das Nações Unidas para os Direitos Humanos no país.

Ebrahim Noroozi

Ahmed Shaheed, ao apresentar o relatório anual em Genbra, adiantou que o Irão continua a ser o país com maior número de execuções de menores, 73 nos últimos 10 anos e 16 entre 2014 e 2015.

As leis iranianas situam a idade de responsabilidade penal nos 15 anos nos rapazes e nove nas raparigas.

O relator destacou a dureza com que se castigam os delitos relacionados com droga, uma vez que a lei tipifica até 17 infrações para que se possa aplicar a pena de morte como punição.

A pena capital aplica-se, por exemplo, à posse de 30 gramas de heroína ou de cocaína.

Quanto às restantes execuções, 22% foram condenados à morte por homicídio, 6% por violações, 3% por assassínio e os restantes 4% por outros crimes, entre eles corrupção.

Desde que iniciou o mandato, há cinco anos, o relator da ONU nunca foi autorizado por Teerão a visitar o país.

Ao apresentar o relatório, Ahmed Shaheed, porém, destacou uma postura "mais amável" das autoridades iranianas desde a recente abertura política de Teerão.

Lusa

  • Jovens adoptados e filha do líder da IURD com versões diferentes dos acontecimentos
    4:06

    País

    Os jovens adoptados e a filha do bispo Edir Macedo, que alegadamente os adoptou, têm versões diferentes sobre o que aconteceu. Vera e Luís Katz garantem que foram adoptados por uma família norte-americana, com que viveram até aos 20 anos. Viviane Freitas, filha do líder da Igreja Universal do Reino de Deus, conta que foi mãe das crianças durante três anos, apesar de lhe ter sido negada a adopção.

  • Cabecilha da seita Verdade Celestial é "mentiroso, egocêntrico e psicótico"
    2:22

    País

    O cabecilha da seita "Verdade Celestial" foi condenado a 23 anos de pena de prisão por abusos sexuais de crianças e adolescentes. O juiz diz que o cabecilha do grupo era mentiroso patológico, egocêntrico, impulsivo e com personalidade psicótica. Dos oito acusados, duas mulheres foram absolvidas e seis arguidos foram condenados a penas efectivas. A rede de abusadores foi desmantelada há dois anos, numa quinta de Palmela.

  • Mau tempo obriga ao cancelamento de centenas de voos na Europa
    1:21