sicnot

Perfil

Mundo

Sul-africana que raptou bebé declarada culpada 18 anos depois

Uma sul-africana de 50 anos, que raptou uma bebé de uma maternidade há 18 anos e educou como filha, foi hoje declarada culpada por um tribunal da Cidade do Cabo.

Arquivo

Arquivo

© Mike Hutchings / Reuters

Esta mulher, cuja identidade não foi divulgada para proteger a vítima, incorre numa pena de até cinco anos de prisão.

"Foi evidentemente a autora do rapto da bebé do hospital", declarou o juiz John Hlophe, rejeitando a versão da acusada de que a bebé lhe tinha sido confiada por uma desconhecida.

O tribunal recusou o pedido de libertação sob caução, apresentado pela acusada, que ficará presa pelo menos até 30 de maio, data marcada para o anúncio da sentença.

A verdadeira identidade da jovem raptada, chamada Zephany pelos pais biológicos, foi conhecida no início do ano passado, quando tinha 17 anos, numa escola secundária da Cidade do Cabo.

Os colegas notaram que Zephany, então no último ano do liceu, era muito parecida com Cassidy Nurse, uma nova aluna da escola.

Celeste e Morne Nurse, pais de Cassidy, nunca desistiram de encontrar Zephany e alertaram de imediato a polícia.

As análises de ADN estabeleceram que as duas raparigas eram irmãs e que Zephany era a bebé raptada em 1997. Sem saberem, as duas famílias viviam a poucos quilómetros de distância.

Lusa

  • Os números das eleições francesas
    0:50

    Eleições França 2017

    Os resultados definitivos mostram que Emmanuel Macron obteve 24% dos votos, na primeira volta das eleições francesas. Ficou quase três pontos à frente de Marine Le Pen, que conseguiu 21,3%. Os números oficiais, publicados pelo Ministério do Interior, dão ainda conta da taxa de abstenção: 22,2%, um ligeiro aumento face à primeira volta das presidenciais de 2012.

  • Estarão os portugueses a consumir vitamina D em excesso? 
    6:44
  • Investigadores criam nanovacina contra diferentes cancros

    Mundo

    Investigadores da Universidade do Texas, nos Estados Unidos, desenvolveram uma nanovacina (vacina administrada através de partículas microscópicas) contra diferentes cancros, como o da pele, do cólon e do reto, numa experiência com ratos, revela um estudo publicado esta segunda-feira.