sicnot

Perfil

Mundo

Doze anos depois, Espanha recorda as 193 vítimas dos atentados de Madrid

Madrid assinala esta sexta-feira, com diversas iniciativas, o 12.º aniversário dos atentados bombistas na capital, os quais fizeram 193 mortos e mais de 1.900 feridos, tornando-se os mais mortíferos perpetrados em território espanhol.

© Susana Vera / Reuters

Às 9:00 horas (menos uma hora em Lisboa), na emblemática praça da Porta do Sol, a presidente da Comunidade de Madrid, Cristina Cifuentes, acompanhada da presidente da câmara, Manuela Carmena, prestará homenagem aos falecidos e a todos os que trabalharam naquele dia, de forma altruística, para socorrer as vítimas, tal como recorda uma placa instalada na entrada principal da Casa Real de Correios.

Pela primeira vez, vão participar nesta cerimónia representantes das quatro associações de vítimas do terrorismo , nem sempre unidas nos atos de comemoração dos trágicos atentados em que morreram 192 pessoas, número que subiu para 193 depois da morte, em 2014, de uma jovem que esteve em coma durante dez anos.

Na manhã de 11 de março de 2004, 11 bombas explodiram em quatro comboios da linha suburbana que liga Alcalé de Henares a Atocha, naqueles que foram os mais mortíferos atentados em território espanhol.

Também pelas 9:00 de Espanha devem soar os sinos de todas as igrejas da capital.

Uma hora depois, na estação de Atocha, onde explodiu um dos comboios, e em frente ao monumento de homenagem às vítimas, representantes madrilenos dos sindicatos CC.OO. e UGT e da União de Atores e Atrizes da Associação 11M, presidida por Pilar Manjón, vão protagonizar outro tributo.

Já ao meio-dia (menos uma hora em Lisboa), no parque do Retiro, a Associação de Vítimas do Terrorismo (AVT) vai fazer a sua tradicional homenagem ao lado de 191 ciprestes e oliveiras do Bosque da Recordação, onde vai ser lido um manifesto em defesa da verdade, justiça, memória e dignidade.

Depois realizar-se-á um lançamento de balões, e como anualmente, cumprir-se-á um minuto de silêncio e será depositada uma coroa de flores.

Lusa

  • José Oliveira Costa, o rosto do buraco financeiro do BPN
    3:04

    País

    José Oliveira Costa foi o homem forte do BPN durante 10 anos e tornou-se o rosto do gigantesco buraco financeiro. Manteve-se em silêncio durante todo o julgamento, mas falou aos deputados da comissão de inquérito, para negar qualquer envolvimento no escândalo que fez ruir o BPN.

  • O fim do julgamento do caso BPN, seis anos depois
    2:26

    País

    O antigo presidente do BPN José Oliveira Costa tentou adiar o fim do julgamento principal do caso com um recurso para o Tribunal Constitucional. Apesar disso, a leitura do acórdão continua marcada para esta quarta-feira, quase seis anos e meio depois de os 15 arguidos se terem sentado pela primeira vez no banco dos réus.

  • Saída do Procedimento por Défice Excessivo marca debate no Parlamento
    1:40
  • Donald Trump já está no Vaticano 
    1:32