sicnot

Perfil

Mundo

Ex-ministro de Putin morto em circunstâncias misteriosas

Um ex-ministro russo e colaborador do Presidente Vladimir Putin, encontrado morto num hotel em Washington, foi brutalmente agredido na cabeça, pelo que a morte não se deveu a um ataque cardíaco, como se afirmou no início.

Mikhail Lesin, de 57 anos, um ex-ministro da Informação acusado de atacar a liberdade de imprensa na Rússia de Putin, também apresentava ferimentos no pescoço, tronco, mãos e pés, revelou o principal inspetor médico da capital norte-americana, citado na imprensa norte-americana.

O porta-voz de Putin já reagiu hoje que o Kremlin espera que os EUA forneçam "informação oficial detalhada" sobre a morte misteriosa de Lesin, ocorrida em 05 de novembro.

A informação oficial -- divulgada mais de quatro meses depois da morte -- contradiz informações divulgadas pela imprensa estatal russa, que, citando a família, noticiava que Lesin tinha morrido de um ataque cardíaco.

A informação agora divulgada também parece apontar para o facto de Lesin ter sido assassinado.

O New York Times reportou que os ferimentos de Lesin resultaram de "algum tipo de altercação" ocorrida antes de regressar ao Dupont Circle Hotel, onde estava hospedado.

A repentina morte de Lesin desencadeou uma série de teorias de conspiração na Federação Russa, mas a polícia de Washington já preveniu que era demasiado cedo para tirar conclusões e sublinhou que o exame da medicina legal tinha concluído que a forma da morte era "indeterminada".

Lesin ajudou a lançar a rede televisiva RT, de língua inglesa, e alegadamente conseguiu reunir ativos avaliados em milhões de dólares na Europa e nos EUA, incluindo património imobiliário de 28 milhões de dólares (25 milhões de euros) em Los Angeles.

Moscovo, cujas relações com Washington caíram a pique depois das crises na Ucrânia e Síria, exprimiu irritação sobre a forma como o caso estava a ser gerido.

"Não recebemos qualquer informação detalhada através dos canais estabelecidos para lidar com estas situações", afirmou à imprensa o porta-voz de Putin, Dmitry Peskov, em Moscovo.

Lesin foi ministro da Imprensa, Radio e Televisão entre 1999 e 2004, tendo depois ido para o Kremlin.

Em 2013, tornou-se o chefe da Gazprom-Media Holding, instrumento da empresa estatal de energia Gazprom, e controlou a estação radiofónica liberal Eco de Moscovo.

Lesin resignou um ano depois, invocando razões familiares.

Em 2014, um senador norte-americano, o republicano Roger Wicker, do Estado do Mississippi, apelou à realização de uma investigação a Lesin por suspeita de lavagem de dinheiro e corrupção.

"Que um funcionário público russo possa ter reunido avultados fundos necessários para adquirir e manter esses ativos na Europa e nos EUA levanta sérias questões", escreveu então Wicker.

Lusa

  • Celebridades protestam contra Donald Trump
    3:00

    Mundo

    Tem sido assim desde a campanha e continua. Grande parte da comunidade de artistas não está nada contente com o Presidente eleito. Vários artistas aproveitaram o dia da tomada de posse para se reunirem em Nova Iorque e protestarem contra Donald Trump.

  • "Há sobretudo um fosso entre o discurso que Trump faz e os discursos de Obama"
    6:13

    Opinião

    Cândida Pinto e Ricardo Costa estiveram no Jornal da Noite da SIC, onde analisaram a tomada de posse de Donald Trump. O Diretor de Informação da SIC disse que o discurso de Trump "mexe com a sua base de apoio" e defende que "a grande questão não vai ser a relação com a Rússia, mas sim com a China". Já a Editora de internacional disse que o discurso foi "voltado para dentro, nacionalista, partidarista, com ataque à elite de Washington".

    Ricardo Costa e Cândida Pinto

  • Artista que criou poster de Obama quer invadir EUA com símbolos de esperança

    Mundo

    Shepard Fairey - o artista por trás do tão conhecido cartaz vermelho e azul "Hope" de Barack Obama, durante a campanha eleitoral de 2008 nos EUA - produziu uma série de novas imagens a tempo da tomada de posse de Donald Trump, na sexta-feira. Agora, o artista e a sua equipa querem manifestar uma posição política com a campanha "We The People", contra as ideias que o Presidente eleito tem defendido.

  • Encontrados dez sobreviventes no hotel engolido por um avalanche em Itália
    1:44
  • Videoclipe mostra mulheres a fazer tudo o que é proibido na Arábia Saudita
    1:55

    Mundo

    Um grupo de mulheres canta, dança e faz outras coisas proibidas na Arábia Saudita como forma de protesto. O vídeo é uma crítica social à forma como as mulheres islâmicas são tratadas pelos maridos. Na letra constam frases como "Faz com que os homens desapareçam da terra" e "Eles provocam-nos doenças psicológicas". A ideia partiu de um homem, Majed al-Esa e já conta com 5 milhões de visualizações.

    Patrícia Almeida