sicnot

Perfil

Mundo

Os cinco homens há mais tempo no poder em África

Os cinco homens há mais tempo no poder em África

O Presidente de Angola, que hoje anunciou que vai deixar a política ativa em 2018, está entre os cinco homens há mais tempo no poder em África. Em primeiro lugar está o presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang.

Teodoro Obiang lidera há 36 anos que lidera um dos regimes mais autoritários do mundo. Os mesmos anos que José Eduardo dos Santos leva na presidência de Angola.

Em terceiro lugar, está Robert Mugabe, Presidente do Zimbabué há 35 anos. É frequentemente acusado de violar os direitos humanos e usar a tortura para manter o poder.

O quarto recordista é Paul Biya, líder dos Camarões há 33 anos e sempre com eleições ganhas por maiorias esmagadoras, eesultados em que a comunidade internacional não acredita.

Em quinto lugar está o líder do Uganda, Yoweri Museveni, com 29 anos de ditadura.

  • Fogo em Sabrosa entrou em fase de resolução

    País

    O incêndio que deflagrou terça-feira em Vilela do Douro, Sabrosa, distrito de Vila Real, entrou a meio da manhã de hoje em fase de resolução, segundo a Autoridade Nacional de Proteção Civil.

  • Governo garante reforço das verbas para defesa da floresta até ao fim do ano
    2:37

    País

    O Governo rejeitou centenas de candidaturas com projetos para a prevenção de incêndios florestais, por falta de verbas. Perante a situação, o Bloco de Esquerda questionou o Ministério da Agricultura sobre as reprovações. Contudo, contactado pela SIC, o ministro Capoulas Santos garantiu que o programa de desenvolvimento rural está a ser reajustado e, até ao final do ano, está previsto o reforço de verbas.

  • Porto Editora acusada de discriminação
    2:55
  • "Burlão do amor" acusado de tirar 450 mil euros a amante
    2:21

    País

    Um homem com cerca de 50 anos é acusado de tirar 450 mil euros a uma mulher com quem começou por ter uma relação profissional. Ele pedia, ela emprestava. Anos depois, ela ficou insolvente, com dívidas à banca de 214 mil euros e sem emprego. O homem é arguido, nega a relação amorosa entre ambos, mas admite ter recebido dinheiro dela. Garante, no entanto, que tenciona pagar o que deve.