sicnot

Perfil

Mundo

Os cinco homens há mais tempo no poder em África

Os cinco homens há mais tempo no poder em África

O Presidente de Angola, que hoje anunciou que vai deixar a política ativa em 2018, está entre os cinco homens há mais tempo no poder em África. Em primeiro lugar está o presidente da Guiné Equatorial, Teodoro Obiang.

Teodoro Obiang lidera há 36 anos que lidera um dos regimes mais autoritários do mundo. Os mesmos anos que José Eduardo dos Santos leva na presidência de Angola.

Em terceiro lugar, está Robert Mugabe, Presidente do Zimbabué há 35 anos. É frequentemente acusado de violar os direitos humanos e usar a tortura para manter o poder.

O quarto recordista é Paul Biya, líder dos Camarões há 33 anos e sempre com eleições ganhas por maiorias esmagadoras, eesultados em que a comunidade internacional não acredita.

Em quinto lugar está o líder do Uganda, Yoweri Museveni, com 29 anos de ditadura.

  • Obama diz que Guterres "tem uma reputação extraordinária"
    1:38

    Mundo

    António Guterres diz que vai trabalhar com Barack Obama e também com Donald Trump, na reforma das Nações Unidas. O futuro secretário-geral da ONU foi recebido por Obama, na Casa Branca, onde recebeu vários elogios do presidente norte-americano.

  • Mãe do guarda-redes da Chapecoense comove o Brasil
    1:37
  • Dezenas de mortos em bombardeamentos do Daesh em Mossul

    Daesh

    Dezenas de civis, entre os quais várias crianças, morreram e outros ficaram feridos em ataques de morteiro efetuados pelo grupo extremista Daesh em Mossul, disse à agência Efe o vice-comandante das forças antiterroristas iraquianas.

  • Morreu o palhaço que fazia rir as crianças de Alepo

    Mundo

    Anas al-Basha, mais conhecido como o Palhaço de Alepo, morreu esta terça-feira durante um bombardeamento aéreo na zona dominada pelos rebeldes. O funcionário público mascarava-se de palhaço para ajudar a trazer algum conforto e alegria às crianças sírias, que vivem no meio de uma guerra civil.

  • Tribunal chinês iliba jovem executado há 21 anos

    Mundo

    Nie Shubin foi fuzilado em 1995, na altura com 20 anos, depois de ter sido condenado por violação e assassinato de uma mulher, na cidade de Shijiazhuang. Agora, a justiça chinesa vem dizer que, afinal, o jovem era inocente, uma vez que não foram encontradas provas suficientes para o condenar.