sicnot

Perfil

Mundo

Martin Schulz critica Frente Nacional francesa

O presidente do Parlamento Europeu, Martin Schulz, criticou hoje a Frente Nacional, considerando que o partido de extrema-direita francês identifica os "bodes expiatórios" mas nunca apresenta propostas concretas.

Ebrahim Noroozi

"A Frente Nacional é um partido que identifica os responsáveis, os bodes expiatórios: os imigrantes, o governo, o leste europeu, os europeus, os alemães, e todos os outros" disse Schulz ao canal de televisão francês I-Télé.

"Quando colocamos a questão concreta sobre soluções em relação, por exemplo, à deslocalização ou à concorrência desleal, é o silêncio. Não dizem nada", acrescentou.

"Vocês conhecem as propostas concretas da Frente Nacional para estes problemas? Quais são as propostas concretas desse partido?" questionou o presidente do Parlamento Europeu e dirigente social-democrata alemão.

Durante a entrevista, Schulz relativizou os êxitos do partido, liderado por Marine Le Pen desde 20111, que aumentou o número de eleitos em França e no Parlamento Europeu.

Referindo-se às regionais francesas de dezembro de 2015, Martin Schulz frisou que a Frente Nacional conseguiu 37 por cento dos votos mas que a participação nas eleições não ultrapassou os 58 por cento.

"A Frente Nacional é um partido, não é o partido dos franceses", conclui Martin Schulz.

Lusa

  • Bataglia deixou passar 12 milhões pela sua conta a pedido de Salgado
    2:05

    Operação Marquês

    O presidente da Escom e arguido na Operação Marquês Helder Bataglia terá admitido que Ricardo Salgado utilizou uma conta bancária do empresário, na Suíça, para passar 12 milhões de euros a Carlos Santos Silva, amigo de José Sócrates. O amigo de Sócrates e Bataglia terão combinado várias formas de não levantar suspeitas. A notícia é avançada pelo jornal Expresso na edição deste sábado.

  • Cágado tratado com implante impresso em 3D
    2:26
  • Patrões não aceitam alterações ao acordo de concertação social
    2:25

    Economia

    As confederações patronais foram esta sexta-feira ao Palácio de Belém dizer ao Presidente da República que não aceitam que o Parlamento faça alterações ao acordo de concertação social. Os patrões dizem ainda ter esperança que o Parlamento não chumbe o decreto-lei que reduz a TSU das empresas com salários mínimos.