sicnot

Perfil

Mundo

Merkel defende agravamento da leis do asilo

A chanceler alemã Angela Merkel defendeu hoje o agravamento da legislação sobre o asilo, no seu último discurso de campanha antes das eleições que se realizam domingo em três estados, tendo centrado a sua atenção na problemática dos refugiados.

Chanceler alemã Angela Merkel

Chanceler alemã Angela Merkel

© Kai Pfaffenbach / Reuters


Para encerrar a campanha, a União Democrata Cristã (CDU) escolheu o estado de Baden-Wüttenberg, onde o partido conservador de Angela Merkel perdeu o governo nos últimos comícios para a coligação formada entre os Verdes e os Sociais-democratas.

A crise dos refugiados dominou a campanha e Merkel defendeu a sua decisão de abrir as fronteiras no final do ano passado, tendo em conta a situação que se estava a viver na Hungria, mas também defendeu que é preciso endurecer a legislação relativa ao asilo, lembrando a sua promessa de agilizar a expulsão de quem não tem direito a asilo.

"Devem abandonar o nosso país" e "perderam o vosso tempo" foram algumas das afirmações dirigidas aos milhares de imigrantes ilegais que entram no país.

Entre os aplausos dos militantes reunidos hoje na localidade de Haigerloch, Merkel recordou todas as hipóteses e recursos que a Alemanha oferece para a integração dos refugiados e advertiu-os de que aceitá-los é um "dever" e não uma possibilidade.

A chanceler fez ainda referência aos graves acontecimentos registados em Colónia na passagem de ano, quando muitos homens terão agredido -- alguns sexualmente -- centenas de mulheres presentes no largo em frente à estação central de comboios.

Merkel destacou as reformas legais adotadas para reforçar o castigo e facilitar as expulsões dos estrangeiros que cometem crimes.

"Quem acredita que uma mulher não pode dizer nada, está simplesmente no país errado", defendeu.

Segundo as sondagens, em Baden-Württemberg, a CDU pode conseguir 29% dos votos, dez pontos menos do que há cinco anos, enquanto os Verdes obtêm 32% (mais oito pontos).

Lusa

  • Mais de 50 milhões de italianos decidem futuro do país
    1:43

    Mundo

    Este domingo, está nas mãos de mais de 50 milhões de eleitores italianos o futuro do país. Mais do que um voto à reforma constitucional, o referendo terá consequências políticas diretas no Governo italiano. As urnas fecham às 23h00, 22h00 em Lisboa. Os primeiros resultados são esperados meia hora depois.