sicnot

Perfil

Mundo

Antigo líder de Tiananmen critica Donald Trump

Um antigo líder do movimento pró-democrático estudantil chinês de Tiananmen em 1989 criticou hoje o aspirante a candidato à Casa Branca Donald Trump, advertindo que os Estados Unidos arriscam abandonar as suas preciosas liberdades.

© Pichi Chuang / Reuters

Wu'er Kaixi afirmou estar a falar em nome dos dissidentes chineses que existem em todo o lado ao condenar o magnata do imobiliário, que na semana passada descreveu os protestos de 1989 em Pequim como um "motim".

"Depois de 27 anos no exílio desde esse 'motim' eu penso que posso falar por qualquer companheiro chinês exilado e preso ao condenar Trump", escreveu Wu'er Kaixi num comentário publicado na sua página oficial no Facebook.

"Eu não estou sozinho ao apelar a cada norte-americano que ofereceu refúgio aos chineses, incluindo a mim, para pôr de lado disputas partidárias e unir-se contra Trump", sublinhou o ativista chinês.

Para Wu'er Kaixi, o magnata republicano é "inimigo dos valores pelos quais os Estados Unidos se definem: os mesmos valores que há muito têm dado esperança às vítimas de poderes opressivos em todo o mundo"

"Aqueles de nós que lutaram pelas liberdades em qualquer lugar no mundo temem que algo esteja prestes a mudar nos Estados Unidos América", acrescentou.

Wu'er Kaixi viveu nos Estados Unidos depois de fugir da China na sequência dos protestos, estando a viver em Taiwan há duas décadas.

Tentou voltar à China, por várias ocasiões, mas a entrada foi-lhe sempre negada.

Lusa

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.