sicnot

Perfil

Mundo

Autoridades venezuelanas localizaram quatro dos 28 mineiros massacrados

As autoridades venezuelanas confirmaram hoje que encontraram os restos de quatro dos 28 mineiros que a 4 de março último foram massacrados por desconhecidos na localidade venezuelana de Tumeremo, Estado de Bolívar, 880 quilómetros a sudeste de Caracas.

© Nacho Doce / Reuters

"Localizámos o sítio onde se encontram os restos das pessoas desaparecidas em Tumeremo, dentro da selva. Até agora encontrámos quatro cadáveres, não sabemos se todos estão ali", anunciou a procuradora geral da Venezuela.

Luísa Ortega Díaz explicou aos jornalistas que "uma equipa do Corpo de Investigações Científicas, Penais e Criminais (antiga Polícia Técnica Judiciária) e do Ministério Público" estão no lugar a exumar os restos mortais.

"Temos plenamente identificadas 18 das vítimas desaparecidas. Até agora temos a certeza de que se trata de (pelo menos) 21 pessoas desaparecidas", frisou.

A responsável precisou que foi detida uma pessoa e há uma ordem de detenção contra outras três pessoas por suspeita de envolvimento no massacre dos mineiros.

Entretanto as autoridades confiscaram 11 viaturas e um camião que alegadamente foi usado para transportar as vítimas.

A investigação surgiu com base numa denúncia, feita por familiares, sobre o desaparecimento de 28 mineiros, situação que originou protestos que durante vários dias bloquearam a estrada principal que liga o sudeste venezuelano com o norte do Brasil, zona que agora está ocupada pelos militares.

A imprensa venezuelana dá conta que os 28 mineiros teriam sido assassinados por um grupo de criminosos que tentou controlar uma das minas de ouro da localidade, mas as autoridades alegam que não têm dados precisos sobre o massacre.

O Governo venezuelano anunciou, recentemente, um novo plano mineiro para a zona sul do país, para impulsionar a exploração de ouro, diamantes, cobre, ferro e outros minerais.

Frequentemente aparecem denúncias na imprensa venezuelana de alegados "garimpeiros" que extraem ilegalmente ouro de minas venezuelanas.

Por outro lado, os ecologistas denunciam também com regularidade os danos ambientais nas minas.

Lusa

  • O dia que roubou dezenas de vidas em Pedrógrão Grande
    3:47
  • "Reforma da Proteção Civil esgotou prazo de validade"
    2:34

    Tragédia em Pedrógão Grande

    António Costa reconheceu esta quinta-feira que a reforma da Proteção Civil que liderou em 2006 está esgotada, e não pode dar resultados sem uma reforma da floresta. Na mesma altura, o ministro da Agricultura admitiu que os problemas já estavam identificados há uma década, sem explicar por que razão não foram atacados pelo Governo socialista da altura.

  • "De um primeiro-ministro esperam-se respostas, não perguntas"
    0:35

    Tragédia em Pedrógão Grande

    Assunção Cristas acusa o ministro da Agricultura de ter deitado ao lixo a legislação do anterior Governo que poderia ser útil no combate aos incêndios. O CDS exige uma responsabilização política pela tragédia de Pedrógão Grande, diz que há muito por esclarecer e por esse motivo entregou esta quinta-feira ao primeiro-ministro um conjunto de 25 perguntas.

  • Morreu Miguel Beleza

    País

    Miguel Beleza, economista e antigo ministro das Finanças, morreu esta quinta-feira de paragem cardio-respiratória aos 67 anos.

    Última Hora

  • Revestimento da Torre de Grenfell era tóxico e inflamável
    1:52
  • "Estamos a ficar sem espaço. Está na hora de explorar outros sistemas solares"

    Mundo

    O físico e cientista britânico Stephen Hawking revelou alguns dos seus desejos para um novo plano de expansão espacial. Hawking está em Trondheim, na Noruega, para participar no Starmus Festival que promove a cultura científica. E foi lá que o físico admitiu que a população mundial está a ficar sem espaço na Terra e que "os únicos lugares disponíveis para irmos estão noutros planetas, noutros universos".

    SIC

  • Não posso usar calções... visto saias

    Mundo

    Perante a proibição de usar calções no emprego, um grupo de motoristas franceses adotou uma nova moda para combater o calor. Os trabalhadores decidiram trocar as calças por saias, visto que a peça de roupa é permitida no uniforme da empresa para a qual trabalham.

  • De refugiada a modelo: a história de Mari Malek

    Mundo

    Mari Malek chegou aos Estados Unidos da América quando era ainda uma criança. Chegada do Sudão do Sul, a menina era uma refugiada à procura de um futuro melhor, num país que não era o seu. Agora, anos depois, Mari Malek é modelo, DJ e atriz, e vive em Nova Iorque. Fundou uma organização sediada no país onde nasceu voltada para as crianças que passam por dificuldade, como também ela passou.