sicnot

Perfil

Mundo

Rússia contra sanções após ensaio de mísseis do Irão

A Rússia declarou hoje a sua firme oposição a sanções internacionais contra o Irão devido aos seus recentes ensaios de mísseis, considerando que os disparos não violaram as resoluções da ONU.

© Lucas Jackson / Reuters

"Numa palavra, a resposta é claramente não", respondeu o embaixador russo junto da ONU Vitali Churkin aos jornalistas que o interrogavam sobre a questão, antes de consultas nas Nações Unidas sobre o dossier pedidas pelos Estados Unidos.

A Rússia como membro permanente do Conselho de Segurança tem direito de veto. Segundo diplomatas, a China, outro dos membros permanentes, e a Venezuela também estão relutantes em sancionar o Irão.

Os Estados Unidos pediram que o conselho realizasse consultas à porta fechada para discutir os "perigosos disparos" de mísseis balísticos pelo Irão, que segundo Washington e os seus aliados infringem a resolução 2231.

De acordo com esta resolução, o Irão deve abster-se de lançar mísseis balísticos que possam transportar ogivas nucleares, ainda que as sanções internacionais impostas a Teerão tenham sido levantadas devido ao acordo nuclear com as grandes potências, concluído em julho e que entrou em vigor no início do ano.

O Irão negou sempre procurar obter a arma nuclear e afirma que os seus mísseis não são projetados para transportar uma bomba atómica.

Na semana passada, o regime xiita iraniano disse ter realizado uma série de testes de mísseis balísticos.

Antes da reunião do conselho, o embaixador israelita junto da ONU Danny Danon apelou aos 15 países que integram o órgão executivo das Nações Unidas para "aplicarem medidas punitivas claras" contra o Irão para lhe enviarem "uma mensagem sem ambiguidade".

Lusa

  • Irão dispara mísseis balísticos em novo teste

    Mundo

    O Irão efetuou hoje dois novos disparos de mísseis balísticos, com um alcance de cerca de 1.400 quilómetros, declarou o número dois dos Guardas da Revolução, depois de testes idênticos terem suscitado a "preocupação"dos Estados Unidos.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.

  • Trump acusa o procurador-geral dos EUA de ser fraco
    1:46