sicnot

Perfil

Mundo

Breivik processa Estado norueguês por "tratamento desumano"

Anders Breivik, autor do massacre que provocou 77 mortes na Noruega em julho de 2011, vai processar o Estado norueguês por "tratamento desumano". Ao chegar à audiência, o radical de direita fez, em silêncio, a saudação nazi.

reuters

reuters

reuters

reuters

Depois de ter entrado no pretório, um ginásio da prisão de Skien, no sul da Noruega, transformado para a audiência, Breivik voltou-se por instantes para os jornalistas e, em seguida, estendeu o braço direito, sem pronunciar uma única palavra, segundo a agência noticiosa AFP.

Breivik acusa o Estado de tratamento desumano e degradante na prisão. Compara as condições em que vive com "tortura".

Desde que foi condenado a 21 anos de prisão -- prorrogáveis de forma indefinida - em 2012, Breivik, de 37 anos, tem estado num estabelecimento de segurança máxima. Primeiro, na prisão de Ila, a oeste de Oslo, e agora em Skien, ao sul da capital.

Segundo o seu advogado, Breivik tem estado "muito stressado devido ao seu isolamento".

"Uma das coisas que ele fazia na prisão era estudar e agora parou. Sinto que isso é um sinal de que o isolamento tem sido negativo para a sua saúde psicológica", declarou.

As autoridades dizem que a sua correspondência é censurada para evitar que crie uma "rede extremista". Quem o visita são sobretudo profissionais de saúde.

Em setembro do ano passado, Breivik ameaçou fazer uma greve de fome, como protesto. Diz que as "condições hostis" em que vive forçaram-no a desistir de um curso de Ciência Política na Universidade de Oslo.

A cela de Breivik tem uma televisão e um computador, mas sem acesso à Internet. Breivik queixa-se que a cela tem uma decoração pobre e não tem vista, diz que o café que lhe dão é frio, que tem pouca manteiga para pôr no pão e que não lhe dão creme hidratante.

  • Atentados na Noruega foram há 4 anos
    1:47

    Mundo

    Há precisamente 4 anos, a Noruega conhecia os piores atentados da história do país desde a segunda Guerra Mundial. Anders Breivik, com ligações à extrema direita, atualmente a cumprir pena a máxima, matou 77 pessoas. Primeiro detonou uma bomba no centro de Oslo, onde morreram oito. Depois seguiu para uma ilha onde decorria um encontro de jovens trabalhistas e aí matou 69 pessoas, a maioria adolescentes.

  • O encontro emocionado de Marcelo com a mãe de uma das vítimas dos fogos
    0:30
  • Proteção Civil garante que já não há desaparecidos
    1:40
  • "Depois de sair da autoestrada o vidro do carro ainda estava a ferver"
    2:01
  • "O fogo chegou de repente. Foi um demónio"
    2:15
  • O desabafo de um empresário que perdeu "uma vida inteira de trabalho" no fogo
    2:08
  • O testemunho emocionado de quem perdeu quase tudo
    2:10
  • As comunicações entre operacionais no combate às chamas em Viseu
    2:27
  • Houve "erros defensivos que normalmente a equipa não comete"
    0:38

    Desporto

    No final do jogo, quando questionado sobre a ausência de Casillas no onze do FC Porto, Sérgio Conceição referiu que a equipa apresentada era aquela que lhe oferecia garantias. Quanto ao jogo, o treinador portista reconheceu que a equipa cometeu vários erros defensivos.

  • "Cometemos erros e há que tentar corrigi-los"
    0:41

    Desporto

    No final do jogo em Leipzig, Iván Marcano desvalorizou a ausência de Iker Casillas e entendeu que o facto de o guarda-redes ter ficado no banco não teve impacto na equipa. Já sobre o jogo, o central espanhol garantiu que não correu da forma como os jogadores esperavam.

  • Norte-americana foi à discoteca e tornou-se princesa

    Mundo

    A história de Ariana Austin é quase como um conto de fadas moderno. A jovem vai até ao baile, onde conhece o seu príncipe. Só que a norte-americana foi a uma discoteca e, na altura, não sabia que Joel Makonnen era na verdade um príncipe da Etiópia e que casaria com ele 12 anos depois, tornando-se também ela numa princesa.