sicnot

Perfil

Mundo

Investigação criminal na fábrica Kellogg após vídeo de empregado a urinar sobre produtos

O fabricante de cereais norte-americano Kellogg Co anunciou que está a ser investigado depois de divulgado um vídeo que mostra um trabalhador a urinar sobre uma das linhas de montagem. Segundo a empresa, o vídeo é de 2014 pelo que os produtos afetados já passaram o prazo de validade.

© Phil Noble / Reuters

O vídeo, publicado no site World Star Hip Hop na passada sexta-feira, mostra um homem que se filma a si próprio a urinar sobre uma das linhas de montagem da fábrica de Memphis, Tennessee, e mostra o logotipo da empresa.

A Kellogg "alertou imediatamente as autoridades policiais e sanitárias", afirmou à Reuters o porta-voz da empresa, Kris Charles, não revelando o nome do homem mas adiantando que também está a ser conduzida uma investigação interna.

Os produtos que poderão ter sido atingidos são poucos e já passaram o prazo de validade, garantiu a empresa. Incluem Rice Krispies Treats, granola usada nalguns dos cereais e arroz tufado que já não é fabricado.

  • Luís Pina indiciado por quatro crimes de tentativa de homicídio
    2:24
  • Ministro "mais descansado" com relatório sobre Almaraz, ambientalistas contestam
    2:01

    País

    O ministro do Ambiente diz estar mais descansado depois de conhecer o relatório técnico que considera o armazém de resíduos nucleares em Almaraz uma solução adequada. Já as associações ambientalistas e os partidos criticam o parecer positivo à construção e querem ouvir os ministros do Ambiente e dos Negócios Estrangeiros no Parlamento.

  • Marcelo recebido por multidão na Ovibeja
    2:52
  • Líderes europeus unidos para iniciar saída do Reino Unido
    2:08
  • 100 dias de Trump em 04'30''
    4:33

    Pequenas grandes histórias

    Donald Trump tomou posse como 45º Presidente dos EUA dia 20 de janeiro de 2017, faz este sábado, 100 dias. Prometeu grandes mudanças, mas os planos acabaram por chocar de frente com a realidade e a burocracia de Washington, como foi o caso do Obamacare. Foi a primeira ordem executiva que assinou, no dia em que tomou posse, mas a revogação está longe de acontecer.