sicnot

Perfil

Mundo

Irão assegura que testes de mísseis servem apenas de defesa

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Javad Zarif, afirmou hoje que os recentes testes de mísseis não violam o acordo sobre o nuclear firmado com a comunidade internacional, servindo apenas para Teerão se defender de eventuais ataques.

Javad Zarif, ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano.

Javad Zarif, ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano.

Reuters

"O Irão não utilizará nenhum meio para atacar nenhum país, incluindo os nossos mísseis. São para nossa defesa", afirmou o chefe da diplomacia iraniana, ao lado da sua homóloga australiana, Julie Bishop, numa conferência de imprensa em Camberra transmitida na televisão.

Zarif assegurou que os testes com mísseis não violam a resolução 2231, com a qual o Conselho de Segurança da ONU ratificou o acordo sobre o nuclear entre o Irão e as potências do grupo 5+1 (Estados, Rússia, França, Reino Unido, China e Alemanha) e levantou a maior parte das sanções que pesavam sobre o país.

"Estes mísseis nem sequer caem dentro do âmbito da 2231 e não são ilegais", frisou.

O Conselho de Segurança da ONU discutiu, esta segunda-feira, à porta fechada, os testes realizados pelo Irão no início do mês, numa reunião convocada pelos Estados Unidos, que consideraram os ensaios "perigosos" e não descartaram a possibilidade de aprovar sanções unilateralmente contra Teerão.

Zarif encontra-se na Austrália, onde se reuniu com o primeiro-ministro, Malcom Turnbull, e outros altos funcionários, no âmbito de uma visita que já o levou à Nova Zelândia, Tailândia, Singapura, Brunei e Indonésia.

Lusa

  • Família perde tudo na aldeia de Queirã
    2:32
  • Temperaturas sobem no fim de semana, risco de incêndio aumenta
    1:08

    País

    A chuva que caiu nos últimos dias não deverá ter impactos relevantes na dominuição da seca e, por isso, o risco de incêndios vai voltar a aumentar com nova subida das temperaturas. Os termómetros podem chegar aos 30 graus entre domingo e quarta-feira.

  • Não me parece o melhor princípio político, mas percebo que António Costa queira ter junto de si, sobretudo em tempos difíceis, os mais próximos. Os homens de confiança pessoal e política. Em plena tempestade, o primeiro-ministro chamou dois amigos de longa data, ex-colegas da Faculdade de Direito, Eduardo Cabrita e Pedro Siza Vieira. E eles não disseram que não.

    Bernardo Ferrão