sicnot

Perfil

Mundo

Irão assegura que testes de mísseis servem apenas de defesa

O ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano, Javad Zarif, afirmou hoje que os recentes testes de mísseis não violam o acordo sobre o nuclear firmado com a comunidade internacional, servindo apenas para Teerão se defender de eventuais ataques.

Javad Zarif, ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano.

Javad Zarif, ministro dos Negócios Estrangeiros iraniano.

Reuters

"O Irão não utilizará nenhum meio para atacar nenhum país, incluindo os nossos mísseis. São para nossa defesa", afirmou o chefe da diplomacia iraniana, ao lado da sua homóloga australiana, Julie Bishop, numa conferência de imprensa em Camberra transmitida na televisão.

Zarif assegurou que os testes com mísseis não violam a resolução 2231, com a qual o Conselho de Segurança da ONU ratificou o acordo sobre o nuclear entre o Irão e as potências do grupo 5+1 (Estados, Rússia, França, Reino Unido, China e Alemanha) e levantou a maior parte das sanções que pesavam sobre o país.

"Estes mísseis nem sequer caem dentro do âmbito da 2231 e não são ilegais", frisou.

O Conselho de Segurança da ONU discutiu, esta segunda-feira, à porta fechada, os testes realizados pelo Irão no início do mês, numa reunião convocada pelos Estados Unidos, que consideraram os ensaios "perigosos" e não descartaram a possibilidade de aprovar sanções unilateralmente contra Teerão.

Zarif encontra-se na Austrália, onde se reuniu com o primeiro-ministro, Malcom Turnbull, e outros altos funcionários, no âmbito de uma visita que já o levou à Nova Zelândia, Tailândia, Singapura, Brunei e Indonésia.

Lusa

  • "Até para o ano", a mensagem de Ronaldo para os adeptos do Real Madrid
  • Despenalização da eutanásia votada na terça-feira no Parlamento
    2:04
  • Há companhias aéreas a contratar. TAP é uma delas
    1:28

    Economia

    Com o crescimento do turismo, que continua a bater recordes, as companhias aéreas querem profissionais para reforçar as rotas com maior procura e oferecer novos destinos. Só a TAP prevê contratar mais 700 pessoas este ano para várias funções, incluindo 300 tripulantes de cabine e 170 pilotos.

  • O bombeiro herói que recebe 267 euros de pensão
    2:36
  • Funcionários dos EUA na Coreia do Norte para preparar cimeira
    2:19