sicnot

Perfil

Mundo

Rússia inicia retirada de equipamento militar da Síria

A Rússia iniciou a retirada de equipamento militar da Síria, depois de ter anunciado, na segunda-feira, a saída das suas forças daquele país, revelou hoje o Ministério da Defesa russo.

Imagem fornecida pelo Ministério da Defesa russo de um ataque contra uma "posição terrorista" em Aleppo, a 21 de outubro.

Imagem fornecida pelo Ministério da Defesa russo de um ataque contra uma "posição terrorista" em Aleppo, a 21 de outubro.

RUSSIAN DEFENCE MINISTRY PRESS SERVICE / HANDOUT

"Os técnicos começaram a preparar as aeronaves para voos de longo curso para as bases aéreas na Federação Russa", informou o Ministério da Defesa russo em comunicado, acrescentando que o pessoal militar estava a carregar o equipamento e material para os aviões.

O Presidente da Rússia, Vladimir Putin, ordenou na segunda-feira ao Ministério da Defesa para iniciar hoje a retirada das forças russas da Síria.

A Presidência russa indicou que o chefe de Estado sírio, Bashar al-Assad, concordou com a decisão de Putin.

"A tarefa que tinha sido solicitada ao nosso Ministério da Defesa e às nossas forças armadas foi globalmente conseguida e assim ordenei ao ministério para iniciar a partir da manhã [terça-feira] a retirada da maior parte dos nossos contingentes militares na República Árabe da Síria", afirmou Putin, dirigindo-se ao ministro da Defesa russo, Serguei Choigu, durante uma intervenção transmitida pela televisão.

A intervenção das forças aéreas russas na Síria teve início a 30 de setembro de 2015 e foi feita a pedido de Bashar al-Assad no âmbito da luta contra o terrorismo naquele país.

Moscovo vai, no entanto, manter uma presença aérea no território sírio para supervisionar a aplicação do cessar-fogo, que entrou formalmente em vigor no passado dia 26 de fevereiro, segundo indicou a Presidência russa.

Lusa

  • Rússia anuncia retirada da Síria
    1:16

    Mundo

    Vladimir Putin surpreendeu esta segunda-feira o mundo ao anunciar a retirada da maior parte das forças russas da Síria.Num conflito com inúmeras frentes, o futuro de Bashar Al Assad permanece uma incógnita. Moscovo assegura que a retirada foi coordenada com o presidente Sírio, mas um porta-voz do Kremlin diz que a continuidade de Assad na presidência não foi discutida.

  • "Sinto-me como quem leva uma sova monumental"
    0:30
  • Temperaturas vão subir até 4ª feira

    País

    As temperaturas vão subir até esta quarta-feira, prevendo-se máximas entre os 22 e os 29 graus na generalidade do território, valores acima do normal para a época do ano, adiantou hoje a meteorologista Maria João Frada.

  • A história por detrás da fotografia que correu (e impressionou) o Mundo

    Mundo

    Depois dos incêndios da semana passada na Galiza, começou a circular na internet e nas redes sociais a imagem de uma cadela que alegadamente levava a sua cria carbonizada na boca. Contudo, a cadela é na verdade macho e chama-se Jacki. Esta é a história do cão que passou os dias após os fogos a recolher animais mortos para os enterrar num campo perto de uma igreja, em Coruxo, Vigo.

    SIC

  • Equipa responsável por renovação da Proteção Civil ainda não é conhecida
    2:45

    País

    A constituição da unidade de missão que deverá entrar esta segunda-feira em funções para concretizar a reforma dos sistemas de prevenção e combate a incêndios ainda não é conhecida. A equipa de trabalho anunciada por António Costa será responsável por pôr de pé o novo sistema de Proteção Civil, aprovado no Conselho de Ministros extraordinário de sábado.

  • "Quero unir o PSD depois de o clarificar"
    1:17
  • Quando o cão de Macron fez chichi no gabinete do Presidente francês
    0:31
  • Antigos presidentes dos EUA angariam 26 milhões para vítimas dos furacões
    0:58

    Mundo

    Os cinco antigos presidentes dos Estados Unidos da América ainda vivos juntaram-se para ajudar as vítimas dos furacões. Bill Clinton e Barack Obama lembraram as vítimas dos furacões e elogiaram o espírito solidário dos norte-americanos. Os antigos presidentes norte-americanos lançaram o apelo no início do mês passado e já conseguiram angariar cerca de 26 milhões de euros.