sicnot

Perfil

Mundo

Maduro apela à solidariedade mundial com Lula e Dilma

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, apelou hoje à solidariedade mundial para com a sua homóloga brasileira, Dilma Rousseff, e o ex-Presidente Lula da Silva perante o "golpe mediático-judicial" que estão a tentar contra eles.

© Carlos Garcia Rawlins / Reute

"Levantemos a voz da solidariedade mundial com Dilma e Lula perante o golpe mediático-judicial no Brasil", escreveu Nicolás Maduro na sua conta no Twitter.

O Presidente da Venezuela considerou ainda que se trata de "uma ofensiva imperial que pretende acabar com as forças progressivas e revolucionárias".

"Que o movimento popular e democrático da nossa América se levante para enfrentar o golpe no Brasil. É tempo de luta", escreveu.

Um despacho judicial suspendeu hoje o ato de nomeação do ex-Presidente Luiz Inácio Lula da Silva como ministro da Casa Civil do Governo de Dilma Rousseff, segundo informações do jornal Folha de S.Paulo.

A decisão é, segundo o jornal, do juiz Itagiba Catta Preta Neto, que teria entendido que "há indícios de cometimento do crime de responsabilidade".

No entanto, este não é o único pedido de impugnação da posse de Lula. A juíza Ivani Silva da Luz da 22.ª Vara Federal do Distrito Federal aceitou hoje uma denúncia do movimento Pátria Brasil contra a posse do antigo Presidente.

A nomeação de Lula da Silva para o Governo está a ser encarada como uma forma de o ex-Presidente evitar as investigações de que é alvo no âmbito da Operação Lava Jato, sobre um esquema de corrupção que envolve várias empresas, incluindo a petrolífera estatal Petrobras.

Lusa

  • Alianças do PS marcam discursos no Congresso do PS
    2:51
  • Souto de Moura feliz com distinção na Bienal de Arquitetura de Veneza
    1:10
  • "Sonho com um futuro melhor", o desejo de um jovem sírio em Portugal
    2:12

    País

    Mais de 50 jovens sírios chegaram esta madrugada a Lisboa, para iniciarem o novo ano letivo, em Portugal. Sonham com um futuro melhor. Sonham com uma educação melhor. Os 54 estudantes vieram ao abrigo do programa lançado pelo antigo Presidente da República, Jorge Sampaio, que nos últimos anos já deu uma nova oportunidade a cerca de 200 alunos. Depois de um curso intensivo de português durante três meses, os jovens vão iniciar o ano letivo em vários pontos do país.