sicnot

Perfil

Mundo

Oito jornalistas assassinados no México em 2015

Oito jornalistas foram mortos e houve 397 agressões a repórteres ou órgãos de comunicação social no México em 2015, o ano mais violento para a imprensa naquele país desde 2009, informou hoje a organização não-governamental Artigo 19.

© Henry Romero / Reuters

"Os números expressam com clareza a gravidade da situação", refere em comunicado a organização de defesa dos direitos dos jornalistas, para quem o exercício desta profissão "se tornou uma atividade de elevado risco".

A violência aumentou 21,8% em relação a 2014, segundo a Artigo 19, cujo nome é inspirado no artigo da declaração universal dos direitos humanos sobre a liberdade de expressão.

A organização lamenta a erosão do exercício da liberdade de expressão desde a chegada à presidência de Enrique Pena Nieto, em 2012.

Segundo a Artigo 19, 165 das 397 agressões (41%) foram cometidas pelas autoridades e 35 pelo crime organizado (9%).

O México, confrontado com uma onda de violência ligada ao tráfico de droga, é considerado por várias organizações não-governamentais como um dos países mais perigosos para os jornalistas.

Desde 2000, foram mortos 91 jornalistas e 17 estão desaparecidos, segundo a organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras.

Lusa

  • Quase 200 queixas por dia sobre serviços de saúde em 2017
    1:46

    País

    Foram apresentadas, em 2017, quase 200 queixas por dia sobre o funcionamento dos serviços de saúde públicos e privados. As questões administrativas e os tempos de espera foram as principais razões das mais de 70 mil reclamações recebidas pela Entidade Reguladora da Saúde.

  • Fim de semana com chuva e descida da temperatura

    País

    A chuva regressa hoje a Portugal continental e permanece pelo menos até ao início da semana, prevendo-se ainda uma descida da temperatura máxima entre 04 a 06 graus Celsius, disse à Lusa a meteorologista Cristina Simões.

  • O projeto pioneiro que apoia crianças com doenças incuráveis
    3:30

    País

    A única unidade de cuidados paliativos pediátricos do país situa-se em São Mamede de Infesta. Inaugurado há quase dois anos, pelo Kastelo, há passaram 68 crianças com doenças incuráveis. A instituição lançou agora uma campanha de donativos para construir um parque aquático.