sicnot

Perfil

Mundo

Oito jornalistas assassinados no México em 2015

Oito jornalistas foram mortos e houve 397 agressões a repórteres ou órgãos de comunicação social no México em 2015, o ano mais violento para a imprensa naquele país desde 2009, informou hoje a organização não-governamental Artigo 19.

© Henry Romero / Reuters

"Os números expressam com clareza a gravidade da situação", refere em comunicado a organização de defesa dos direitos dos jornalistas, para quem o exercício desta profissão "se tornou uma atividade de elevado risco".

A violência aumentou 21,8% em relação a 2014, segundo a Artigo 19, cujo nome é inspirado no artigo da declaração universal dos direitos humanos sobre a liberdade de expressão.

A organização lamenta a erosão do exercício da liberdade de expressão desde a chegada à presidência de Enrique Pena Nieto, em 2012.

Segundo a Artigo 19, 165 das 397 agressões (41%) foram cometidas pelas autoridades e 35 pelo crime organizado (9%).

O México, confrontado com uma onda de violência ligada ao tráfico de droga, é considerado por várias organizações não-governamentais como um dos países mais perigosos para os jornalistas.

Desde 2000, foram mortos 91 jornalistas e 17 estão desaparecidos, segundo a organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras.

Lusa

  • "Estamos a investir na nossa própria desgraça"
    0:37
  • Saída dos EUA do acordo de Paris é "uma vergonha"

    Mundo

    O ex-secretário de Estado norte-americano John Kerry considerou esta terça-feira "uma vergonha" a decisão do Presidente Donald Trump de retirar os Estados Unidos do acordo do clima de Paris, garantindo que o povo não acompanha esse gesto de "autodestruição".

  • "Meninas proibidas de usar saias curtas e roupa transparente" para evitar abusos em Timor
    0:50
  • "De repente ele estava em cima de mim a beijar-me e a apalpar-me"
    2:43