sicnot

Perfil

Mundo

Oito jornalistas assassinados no México em 2015

Oito jornalistas foram mortos e houve 397 agressões a repórteres ou órgãos de comunicação social no México em 2015, o ano mais violento para a imprensa naquele país desde 2009, informou hoje a organização não-governamental Artigo 19.

© Henry Romero / Reuters

"Os números expressam com clareza a gravidade da situação", refere em comunicado a organização de defesa dos direitos dos jornalistas, para quem o exercício desta profissão "se tornou uma atividade de elevado risco".

A violência aumentou 21,8% em relação a 2014, segundo a Artigo 19, cujo nome é inspirado no artigo da declaração universal dos direitos humanos sobre a liberdade de expressão.

A organização lamenta a erosão do exercício da liberdade de expressão desde a chegada à presidência de Enrique Pena Nieto, em 2012.

Segundo a Artigo 19, 165 das 397 agressões (41%) foram cometidas pelas autoridades e 35 pelo crime organizado (9%).

O México, confrontado com uma onda de violência ligada ao tráfico de droga, é considerado por várias organizações não-governamentais como um dos países mais perigosos para os jornalistas.

Desde 2000, foram mortos 91 jornalistas e 17 estão desaparecidos, segundo a organização não-governamental Repórteres Sem Fronteiras.

Lusa

  • Oposição diz que défice abaixo dos 2,3% se deve ao aumento de impostos
    2:24

    Economia

    O défice de 2016 vai ficar abaixo dos 2,3%, uma garantia dada pelo primeiro-ministro durante o debate quinzenal desta terça-feira. A oposição diz que o resultado é bom para o país mas que se deve a um aumento de impostos, feito pelo Governo no ano passado, e ao trabalho do PSD e do CDS nos anos anteriores.

  • Temperaturas negativas em várias zonas do país nos próximos dias
    1:57

    País

    O frio vai começar a fazer-se sentir nos próximos dias com as temperaturas a descerem para valores negativos em várias zonas do país. Em Lisboa, cinco estações de metro vão estar abertas durante a noite para albergar os sem-abrigo que também vão receber agasalhos e refeições quentes.

  • Medalha idêntica à de Anne Frank encontrada em campo nazi

    Mundo

    Um grupo de investigadores encontrou uma medalha praticamente igual à de Anne Frank, nas escavações ao campo nazi de extermínio Sobibor, na Polónia. Os especialistas do Memorial do Holocausto Yad Vashem em Israel acreditam que a medalha pertencia a Karoline Cohn, que pode ter conhecido Anne Frank.