sicnot

Perfil

Mundo

Molenbeek esteve na mira da autoridades desde os atentados

Molenbeek esteve na mira da autoridades desde os atentados

Depois dos atentados de novembro em Paris, o bairro de Molenbeek, em Bruxelas, foi alvo de várias operações antiterroristas. As autoridades acreditam que muitos jovens terão saído do bairro rumo à Síria. Molenbeek já chegou mesmo a ser chamado de "ninho de terroristas".

  • Molenbeek: o bairro dos radicais
    2:21

    Ataques em Paris

    Desde os atentados em Paris que o bairro de Molenbeek nunca mais foi o mesmo. O Centro Europeu de Inteligência Estratégica e Segurança sabe desde há muito que várias células jihadistas estão presentes no bairro. Foi lá que nasceu precisamente o cérebro dos ataques à capital francesa.

  • Polícia continua a recolher provas no bairro de Molenbeek
    3:15

    Mundo

    A correpondente da SIC em Bruxelas, Susana Frexes, relata os últimos acontecimentos no bairro de Molenbeek. A polícia já levantou o perímetro de segurança mas continua no terreno a recolher provas. Várias pessoas aproximaram-se do local e um dos moradores disse que aquela seria a casa do primo de Salah Abdeslam.

  • Confirmados dois novos casos de legionella

    Legionella

    Dois novos casos de legionella foram esta quarta-feira confirmados. A informação foi avançada em comunicado pela Direção-Geral da Saúde. Tratam-se de duas pessoas com mais de 80 anos, internadas no Hospital São Francisco Xavier e no Egas Moniz, ambas em situação clínica estável.

  • Quem é o novo Presidente do Zimbabué?
    2:15

    Mundo

    Emmerson Mnangagwa é o sucessor de Robert Mugabe que regressou esta quarta-feira da África do Sul, onde estava refugiado. No primeiro discurso, o Presidente do Zimbabué falou de uma nova democracia no país. Mnangagwa, conhecido como crocodilo, é suspeito de atrocidades na guerra civil pós-independência. 

  • Diminuem as hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino
    3:09

    Mundo

    As hipóteses de salvar os tripulantes a bordo do submarino argentino, desaparecido há 8 dias, começaram a diminuir, uma vez que o chamado "tempo de segurança" já foi ultrapassado. A Marinha portuguesa está a acompanhar o caso do submarino que está desaparecido há oito dias. As hipóteses de salvar os tripulantes vão diminuindo.

  • Comprar um carro em segunda mão sem ser enganado 
    8:44
  • O que aprendemos com secas anteriores?
    32:50