sicnot

Perfil

Mundo

Dilma Rousseff apresenta queixa por difamação contra senador do seu partido

A Presidente do Brasil apresentou hoje uma queixa por difamação contra um senador que acusou Dilma Rousseff de beneficiar do esquema de corrupção com a petrolífera estatal brasileira Petrobras.

(arquivo)

(arquivo)

Fernando Bizerra Jr.

"A Presidente Dilma Rousseff ordenou a abertura dos procedimentos legais devidos contra Delcídio do Amaral, na sequência de declarações difamatórias", informou a presidência brasileira.

A decisão de Dilma Rousseff surge na sequência da entrevista de Delcídio do Amaral à edição de hoje da revista Veja, durante a qual afirmou que a Presidente brasileira sabia da rede de subornos em torno da Petrobras e usou dinheiro nas suas campanhas eleitorais.

"Dilma herdou e beneficiou diretamente deste sistema, que financiou as suas campanhas eleitorais" de 2010 e 2014, declarou Delcídio do Amaral, antigo líder no Senado do Partido dos Trabalhadores (PT, esquerda), à Veja.

Enquanto o antigo chefe de Estado Luiz Inácio Lula da Silva, suspeito de corrupção, "dirigia o sistema" de subornos, "Dilma sabia tudo. A diferença era que ela fingia não ter nada a ver com este caso", garantiu.

De acordo com o senador, "Lula negociava diretamente com os partidos para nomear dos diretores do grupo petrolífero e sabia perfeitamente como estes diretores eram utilizados pelos partidos" para recuperar subornos.

E para impedir um inquérito, Rousseff e o seu antecessor e mentor "tentaram sistematicamente impedir o trabalho da justiça", acrescentou.

Antigo líder do grupo no Senado do PT, Delcídio do Amaral tinha acusado, no início da semana, o ministro da Educação, Aloízio Mercadante, de ter tentado comprar o seu silêncio no caso Petrobras.

Estas novas acusações surgem no dia seguinte a vastas manifestações, em todo o país, da esquerda brasileira em defesa do governo, alguns dias depois da manifestação de três milhões de brasileiros para exigir a destituição da presidente.

Lusa

  • Tiroteio no Mississipi provoca oito mortos
    1:23

    Mundo

    Oito pessoas morreram, incluindo um polícia, depois de um tiroteio no estado norte-americano do Mississipi, nos Estados Unidos da América. O suspeito, um homem de 36 anos, já foi detido, mas as autoridades dizem que ainda é cedo para saber os motivos.

  • Milhares de brasileiros protestam na Praia de Copacabana contra Temer
    3:04
  • "Precisamos de uma melhor zona Euro"
    0:30