sicnot

Perfil

Mundo

Dissidentes cubanos apelam a Obama para que ajude o país a mudar radicalmente

Dissidentes Cubanos apelaram ao presidente norte-americano, Barack Obama, para que convença o governo cubano a parar com a repressão e que este inicie uma "mudança radical" com a visita a Havana que começa hoje.

© Alexandre Meneghini / Reuters

Ativistas na ilha, que tem estado debaixo do controlo do Partido Comunista há mais de cinco décadas, deram as boas vindas à visita de Obama, a primeira de um presidente norte-americano em 88 anos.

"É uma oportunidade para a classe política do governo cubano entender que já não há mais lugar para a filosofia em que cada dissidente era classificado de traidor", afirmaram no sábado em comunicado.

Os dissidentes apelaram ao presidente Obama para promover a mudança, nomeadamente o fim da repressão e do uso de violência física contra todos os ativistas dos direitos humanos.

Obama deve encontrar-se com alguns representantes de dissidentes na terça-feira, embora o governo cubano já tenha afirmado que a discussão de políticas internas está "fora da mesa".

Lusa

  • Reportagem Especial dá a voz aos despedidos da banca
    1:18
  • CEMGFA admite que várias armas roubadas estão em condições de ser usadas
    2:06

    Assalto em Tancos

    Afinal há várias armas roubadas em Tancos que estão em condições de ser utilizadas, sendo que apenas os lança-granadas-foguete estão obsoletos. Esta manhã, o general Pina Monteiro admitiu, no Parlamento, que a declaração que fez há duas semanas pode ter induzido em erro a opinião pública. O chefe do Estado-Maior General das Forças Armadas (CEMGFA) diz, ainda, que se houvesse indícios sobre colaboração do Exército neste caso, os suspeitos estariam presos.

  • Pais de Charlie Gard querem que o bebé morra em casa

    Mundo

    Depois de terem renunciado à batalha judicial para manterem o filho com vida, os pais do bebé britânico Charlie Gard desejam agora levar a criança para morrer em casa. O desejo foi revelado pelo advogado de Chris Gard e Connie Yates, numa audiência esta tarde, no Supremo Tribunal de Londres. Contudo, o hospital responsável pelo caso admite que os cuidados a Charlie não podem ser feitos em casa.