sicnot

Perfil

Mundo

Osso de urso revela que a vida humana na Irlanda começou antes do que se julgava

Análises a um osso de urso descoberto numa cave irlandesa forneceu elementos que provam a existência humana na Irlanda 2.500 anos mais cedo do que se pensava, anunciaram hoje académicos.

© Clodagh Kilcoyne / Reuters

Durante décadas, as primeiras evidências da vida humana na Irlanda datava de 8.000 antes de Cristo.

Mas a datação por radiocarbono do osso do joelho de um urso veio revelar que este foi massacrado por um humano cerca de 10.500 antes de Cristo.

"Esta descoberta acrescenta um novo capítulo à história humana da Irlanda", disse Marion Dowd, um arqueólogo do Instituto de Tecnologia de Sligo que fez a descoberta, juntamente com Ruth Carden, em associação com o Museu Nacional da Irlanda.

O osso do joelho, que está marcado com cortes de uma ferramenta afiada, foi um dos milhares de ossos descobertos em 1903 numa cave em County Clare, na costa oeste na Irlanda.

Este achado esteve guardado no Museu Nacional da Irlanda desde 1920, até Marion Dowd e County Clare o reexaminar e solicitar fundos para a aplicação do radiocarbono, uma técnica desenvolvida nos anos 40 pela Queen's University Belfast.

A equipa enviou uma segunda amostra para a Universidade de Oxford para o resultado ser novamente verificado e ambos os testes indicaram que o urso foi cortado por um humano há 12.500 anos.

Lusa

  • José Eduardo dos Santos há 38 anos no poder
    2:42

    Mundo

    José Eduardo dos Santos foi o segundo Presidente com mais tempo de liderança a nível mundial, quase 38 anos. Este ano, anunciou que não voltaria a concorrer às eleições, mas mantêm-se, por enquanto, como presidente do MPLA. No dia em que os angolanos foram às urnas para escolher o seu sucessor, apresentamos a vida de José Eduardo dos Santos.

  • Dono de submarino é o único suspeito da morte de jornalista sueca
    1:51

    Mundo

    A polícia dinamarquesa confirmou que o corpo decapitado encontrado junto ao mar, perto de Copenhaga, é o da jornalista sueca desaparecida há mais de 10 dias. Kim Wall estava a fazer uma reportagem sobre um submarino artesanal com o criador, que é agora o principal suspeito do crime. Parte do corpo foi encontrada na segunda-feira e identificada através de exames de ADN.