sicnot

Perfil

Mundo

Finlândia condena iraquiano por publicar fotografia em que segura cabeça de jihadista

Um migrante iraquiano na Finlândia foi hoje condenado por crime de guerra, depois de ter divulgado, na rede social Facebook, imagens suas com a cabeça de um combatente do Daesh.

Tikrit, Iraque Arquivo/Reuters

Tikrit, Iraque Arquivo/Reuters

© Ahmed Saad / Reuters

Jebbar Salman Ammar, de 29 anos, foi condenado a uma pena suspensa de 16 meses de prisão pelo tribunal distrital de Pirkanmaa.

Para o tribunal, o iraquiano profanou o corpo de um combatente ao colocar três imagens no Facebook em que está a segurar a cabeça do 'jihadista' na cidade iraquiana de Tikrit.

O iraquiano confessou ter publicado as imagens e lutado contra o Daesh, mas negou ter cometido um crime de guerra.

O procurador Juha-Mikko Hamalainen afirmou que a conduta do acusado era definida como "crime de guerra" pelo Tribunal Penal Internacional, e pediu dois anos de prisão.

Jebbar Salman Ammar chegou à Finlândia há cerca de seis meses.

A Finlândia, um país de 5,4 milhões de habitantes, recebeu perto de 32.000 refugiados, sobretudo do Iraque, no ano passado, durante a maior crise de migração na Europa desde a Segunda Guerra Mundial.

Mais de um milhão de migrantes em fuga da guerra na Síria e no Iraque, da Ásia e África chegaram à Europa desde o início do ano passado.

Um caso idêntico, também com um iraquiano, vai ser julgado noutro tribunal finlandês na próxima semana.

  • Fogo em Setúbal dominado
    2:31

    País

    O incêndio que deflagrou na terça-feira em Setúbal está dominado. As chamas chegaram a ameaçar as casas, o que obrigou à retirada de cerca de 500 pessoas das habitações, como medida de precaução. Também o Hotel do Sado teve de ser evacuado.

  • "Lancei um tema que os portugueses há muito queriam discutir"
    11:26
  • Danos Colaterais 
    18:55
    Reportagem Especial

    Reportagem Especial

    Jornal da Noite

    Nos últimos oito anos a banca perdeu 12 mil profissionais. A dimensão de despedimentos no setor é a segunda maior da economia portuguesa, só ultrapassada pela construção civil. A etapa mais complexa da história começou em 2008, com a nacionalização do BPN. Desde então, as saídas têm sido a regra. A reportagem especial desta terça-feira, "Danos Colaterais", dá voz aos despedidos da banca.